Relação dos cristãos com muçulmanos muda na Europa

Seguidores do islã se organizaram institucionalmente

| 1002 visitas

SÃO GALO (SUÍÇA), segunda-feira, 26 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).- Como configurar hoje o encontro da Igreja com os muçulmanos na Europa? Esta era a pergunta latente nos trabalhos da Comissão para as Relações com os Muçulmanos na Europa (CRME), que se reuniu em Munique (Alemanha), de 19 a 21 de janeiro, com o tema: «Reação a uma nova realidade: muçulmanos da Europa e a formação de religiosos e colaboradores pastorais». 

O mandato de seis anos, que terminava neste encontro, incluía a preparação de orientações para as Igrejas e a elaboração, junto aos muçulmanos, de enfoques comuns diante de questões do atual contexto sócio-político. 

A Comissão – sustentada pela Conferência das Igrejas Européias (KEK) e o Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE) –, já abordou este assunto durante seu primeiro mandato e, em 1991, apresentou suas recomendações. 

Em uma nota, o CCEE afirma: «Nos últimos anos, a geografia religiosa mudou muito, os muçulmanos se organizaram, dispõem de centros religiosos, e em todos os países europeus se comprometeram a definir modos adequados para a formação de imames e professores de religião». 

«A sociedade européia se tornou multirreligiosa – conclui a nota – e neste novo contexto, cristãos e muçulmanos devem dar testemunho de sua fé em um único Deus, para contribuir responsavelmente com sua fé na construção da sociedade.»

Na comissão, que conta com 15 membros de 12 países de diversas igrejas, participa também um enviado da Santa Sé e outro do Conselho Ecumênico das Igrejas. 

A KEK é uma comunhão de 125 igrejas – ortodoxas, protestantes, anglicanas e veterocatólicas – de todos os países europeus, e 40 organizações associadas. Fundada em 1959, tem sede em Genebra, Bruxelas e Estrasburgo. 

Ao CCEE pertencem, em qualidade de membros, as 33 conferências episcopais da Europa, representadas por seus presidentes, os arcebispos de Luxemburgo e do Principado de Mônaco e o bispo de Chişinău, Moldávia. O presidente é o cardeal Péter Erdõ, arcebispo de Esztergom-Budapeste e primaz da Hungria. A sede do Secretariado está em São Galo (Suíça).