Representante vaticano: cristãos são mais discriminados do mundo

Votação contra a resolução da ONU sobre difamação das religiões

| 947 visitas

GENEBRA, segunda-feira, 30 de março de 2009 (ZENIT.org).- O arcebispo Silvano Tomasi, observador permanente vaticano na ONU em Genebra, constatou que atualmente a comunidade cristã é a mais discriminada do mundo, ao explicar os motivos que levaram a Santa Sé a opor-se à resolução das Nações Unidas sobre a difamação da religião. 

Com uma maioria de 23 votos a favor, 11 contra e 13 abstenções, o Conselho da ONU para os Direitos Humanos aprovou em 26 de março uma controvertida resolução, apresentada pelo Paquistão, em nome dos países da Organização da Conferência Islâmica, na qual se expressa «profunda preocupação» pela frequência da difamação das religiões, mas só menciona o Islã entre elas. 

Dom Tomasi esclareceu que falta esclarecer o conceito de «difamação da religião», «pois pode ser utilizado para justificar as leis contra a blasfêmia, que, como bem sabemos, em alguns Estados são utilizadas para atacar as minorias religiosas, inclusive de maneira violenta». 

Segundo o último «Informe sobre liberdade religiosa no mundo», publicado por Ajuda à Igreja que Sofre, precisamente no Paquistão, o pior instrumento da perseguição religiosa é a Lei de Blasfêmia, que continua causando cada vez mais vítimas e que estabelece a pena de morte ou a prisão perpétua para as ofensas ao Alcorão. 

«Segundo numerosos analistas, é uma das ferramentas que os fundamentalistas islâmicos utilizam para atacar as minorias e levar o país a uma radical islamização», explica o informe. 

Por este motivo, Dom Tomasi considera aos microfones da Rádio Vaticano que, ao falar de luta contra a difamação religiosa, «o desafio consiste em encontrar um equilíbrio saudável, que harmonize a própria liberdade com o respeito dos sentimentos dos demais, e o caminho para conseguir este objetivo passa por aceitar os princípios fundamentais de liberdade, que estão inscritos nos tratados internacionais». 

Em seu informe diante da Comissão, o representante do Papa denunciou o aumento da  intolerância religiosa no mundo, em particular contra as minorias cristãs. 

«Se analisarmos a situação mundial, veremos que, de fato, os cristãos, como estão documentando várias fontes, são o grupo religioso mais discriminado; fala-se inclusive de mais de 200 milhões de cristãos, das diferentes confissões, que se encontram em situações de dificuldade, pois há estruturas legais ou culturais que levam a uma certa discriminação contra eles.»

Dom Tomasi denunciou também o fato de que agora os cristãos são submetidos a discriminação inclusive em alguns países nos quais são maioria. 

«Há situações – inclusive declarações públicas parlamentares – que atacam diferentes aspectos da crença cristã, e isso tende a marginalizar os cristãos da sociedade e a impedir a contribuição dos seus valores com a mesma», constata.