Representantes da CNBB, do governo e de Dom Cappio discutem fim do jejum

Bispo de Barra (Brasil) está há 23 dias em greve de fome

| 947 visitas

Por Alexandre Ribeiro

BRASÍLIA, quarta-feira, 19 de dezembro de 2007 (ZENIT.org).- Representantes da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), do governo brasileiro e de Dom Luiz Flávio Cappio reuniram-se por quase 3 horas na noite dessa terça-feira para discutir uma possível solução para a greve de fome do bispo.

Dom Flávio Cappio, bispo de Barra (Bahia, nordeste do país), entrou hoje no 23º dia de «jejum e oração» contra o projeto de transposição do Rio São Francisco. Ele se alimenta apenas de água e soro caseiro e emagreceu cerca de 8 quilos e meio nas últimas três semanas.

Na reunião, realizada na sede da CNBB, em Brasília, um representante de Dom Cappio apresentou um conjunto de propostas do bispo para encerrar o jejum.

A carta com as propostas de Dom Cappio foi discutida durante o encontro. O governo aceitou debater seis das oito reivindicações do religioso.

As duas que não tiveram consenso tratavam da suspensão por tempo indeterminado das obras de transposição, com a retirada imediata das tropas do Exército, e a redução de 28 para 9 metros cúbicos por segundo do volume de água desviado para o oeste de Pernambuco e a Paraíba.

Reivindicações acolhidas de forma positiva pelo governo tratam de temas como a revitalização da Bacia do São Francisco, revitalização de outros rios vizinhos, implementação das medidas previstas pela Agência Nacional de Águas (ANA) para equilibrar o abastecimento hídrico no Nordeste e a elaboração de um plano de desenvolvimento socioambiental sustentável para todo o semi-árido brasileiro.

Ao final do encontro, o chefe de Gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou que uma das propostas que surgiram na reunião e seriam levadas para os dois lados é a de paralisação dos trabalhos por dois meses.

Nesse período, se realizariam debates públicos «para explicar melhor para a população o que significa a obra do São Francisco», disse Carvalho.

Mas, segundo informou o próprio Carvalho no fim da tarde desta quarta-feira, essa possibilidade de paralisação foi rejeitada pelo governo.

Uma segunda reunião aconteceria possivelmente esta quarta-feira, quando o presidente Lula e Dom Cappio já teriam se posicionado sobre as novas propostas.

O secretário-geral da CNBB, Dom Dimas Lara Barbosa, admitiu que a reunião de ontem não foi conclusiva.

«Os membros do governo terão oportunidade de voltar e debruçar sobre as propostas e depois continuaremos nosso debate», disse.

Hoje, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a decisão liminar que garante a continuidade do projeto de transposição do Rio São Francisco.

Uma decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1-1) havia suspendido as obras desde a semana passada, alegando que o governo não teria cumprido todos os requisitos legais para o início dos trabalhos.

Por 6 votos a 3, foram negados os agravos regimentais e mantida a decisão de continuidade do projeto de transposição do São Francisco.

(Colaborou: Tiago Miranda)