Roma encerra 150 anos das aparições de Nossa Senhora em Lourdes

A Virgem peregrina esteve na basílica de Santa Maria a Maior

| 655 visitas

ROMA, terça-feira, 9 de dezembro de 2008 (ZENIT.org).- Roma encerrou nesta segunda-feira, com uma missa presidida pelo cardeal Tarcisio Bertone, a comemoração dos 150 anos das aparições da Virgem Maria em Lourdes.

O secretário de Estado, na homilia da celebração eucarística, que aconteceu na Basílica de Santa Maria a Maior, apresentou Maria como a Mãe que consola os enfermos e os ajuda a enfrentar sua dor. 

«Olhemos para Ela sempre, em cada circunstância, na alegria e na dor, na saúde e na doença, na vida e na morte», disse dirigindo-se aos milhares de fiéis congregados na Basílica, assim como a quem o escutava desde o átrio e da praça contígua. 

A imagem peregrina de Lourdes havia chegado no sábado anterior à basílica mariana, depois de ter percorrido diferentes cidades da Itália. 

Durante os três dias de presença de Maria, o templo romano esteve cumulado de fiéis provenientes de todas as partes do mundo. Recebeu a visita em particular de milhares doentes e deficientes, para apresentar seu pedido ou agradecer-lhe. 

A cerimônia de acolhida da Virgem Peregrina havia se realizado no sábado passado com uma procissão pelas ruas de Roma. Durante esta tarde invernal, milhares de fiéis, muitos deles com círios acesso, caminhavam pela Via Merulana acompanhando a imagem e entoando cantos marianos. 

Com aplausos e a tradicional Ave Maria de Lourdes, foi recebida a imagem na primeira Basílica do Ocidente construída em honra de Maria. Depois começou a oração do terço para dar-lhe as boas-vindas. 

Com momentos de oração pessoal, missas, liturgia das horas, a exposição do santíssimo sacramento da Eucaristia e um terço solene meditado, passaram os três dias dedicados  Nossa Senhora. 

Vários voluntários da associação UNITALSI (União Nacional Italiana para o Transporte de Enfermos a Lourdes e a outros Santuários Internacionais) estavam presentes dentro e fora da Basílica, acolhendo os peregrinos. 

«A atmosfera de Lourdes é sempre excepcional. E revivê-lo em Roma é ainda mais excepcional. Por isso, é uma honra tê-la em nossa casa», disse à Zenit Andreina Ferrouchi, membro de UNITALSI. 

A associação foi fundada em 1903 por Giovanni Battista Tomassi, quem, diante da gruta de Lourdes, sentiu o chamado a formar uma associação na qual se vivesse a caridade como serviço gratuito. 

Agora conta com mais de 100 mil adeptos de diferentes estados de vida e se encontra presente em todas as regiões da Itália. 

Na França, 9 milhões de peregrinos visitaram este santuário mariano durante todo o ano jubilar.