Roma recorda cardeal chileno Raúl Silva Henríquez S.D.B.

Arcebispo de Santiago de 1961 a 1983

| 623 visitas

ROMA, quinta-feira, 28 de junho de 2007 (ZENIT.org).- A Universidade Pontifícia Salesiana de Roma e a Embaixada do Chile ante a Santa Sé organizaram nessa quarta-feira um ato de homenagem no centenário do nascimento do cardeal Raúl Silva Henríquez S.D.B. (1907-1999), arcebispo de Santiago de 1961 a 1983.



Participaram os cardeais Tarcisio Bertone, secretário de Estado da Santa Sé, e Oscar Rodríguez Maradiaga, arcebispo de Tegucigalpa, assim como o reitor-mor dos salesianos, o Pe. Pascual Chávez.

Na saudação inicial, o Reitor da Universidade, Pe. Mario Toso, descreveu o cardeal Silva como «um profeta e uma testemunha criativa da civilização do amor» com múltiplas projeções no âmbito eclesial, cultural, social, regional e internacional.

Um homem com uma fé fortalecida nas provas e sofrimentos, vivida a fundo em suas implicações sociais. A fé que o levou a anunciar com radicalidade que «cada homem é meu irmão».

Depois, o Pe. Chávez recordou o cardeal como «um exemplo de discernimento para tomar decisões de acordo com o Evangelho, para interpretar as urgências pastorais em uma situação concreta, para manter a unidade da comunidade cristã e a esperança na fecundidade da verdade e do bem».

O cardeal Rodríguez Maradiaga o descreveu como uma «ponte», um «pontífice», ou seja, aquele que une sempre duas margens, o que se nega a ver a humanidade como a marcha irreconciliável de dois mundos. O cardeal Silva pensava, lutava e sofria para que a convivência fosse possível.

Por sua parte, o cardeal Bertone compartilhou experiências vividas junto ao cardeal Silva. A homenagem culminou com a projeção de um vídeo com uma entrevista ao cardeal Silva durante o tempo do Concílio Vaticano II.

Ao concluir a jornada comemorativa, recordou-se o testamento desse insigne pastor: «Minha palavra é uma palavra de amor. Busquei ao longo de minha vida amar entranhavelmente o meu Senhor... Minha palavra é uma palavra de amor a todos...».