Rússia: líderes católicos e ortodoxos se consideram "mais fortes juntos"

Conferência sobre liberdade religiosa promovida pelo Patriarcado ortodoxo russo

| 1052 visitas

MOSCOU, sexta-feira, 16 de dezembro de 2011 (ZENIT.org) - "Estamos unidos em defesa dos cristãos". É a conclusão de líderes católicos e ortodoxos na recente conferência “A liberdade de religião: o problema da discriminação e da perseguição contra os cristãos”, patrocinada pelo Patriarcado de Moscou e encerrada com um apelo conjunto a combater o ódio contra os cristãos.

Na conferência de dois dias, que terminou na capital russa com um discurso do Patriarca Cirilo, participaram o núncio papal e vários líderes das Igrejas Orientais, junto com especialistas no diálogo inter-religioso.

O sucesso do evento foi celebrado por Peter Humeniuk, especialista russo da associação Ajuda à Igreja que Sofre, que contribuiu para o financiamento dos dois dias do evento.
"Estamos todos no mesmo barco. Em tempos de perseguição, a nossa solidariedade é necessária".

Humeniuk prosseguiu: "Nós, cristãos de diferentes denominações, somos inseparavelmente ligados, em tempos bons ou ruins.Os cristãos são hoje o grupo mais perseguido no mundo".
Ainda segundo Humeniuk, é preciso encontrar maneiras de levantar a voz dos cristãos no espaço internacional e trabalhar em conjunto para combater esse problema. "Iniciativas conjuntas são urgentes neste momento, dada a situação dramática. A conferência de Moscou é um passo importante nestes esforços".

A conferência acontece após a publicação de relatórios da Comissão Episcopal da Comunidade Europeia (COMECE), que mostra que pelo menos 75% de toda a perseguição hoje é feita contra os cristãos.

Também participaram do evento em Moscou Dom Ivan Jurkovitch, Núncio Apostólico na Federação Russa; o arcebispo Erwin Josef Ender, do Vaticano, e o arcebispo da diocese da Mãe de Deus em Moscou, Dom Paolo Pezzi, bem como representantes de outras religiões, incluindo Farid Salman, grande mufti da Rússia, e Pinchas Goldschmidt, presidente da Conferência dos Rabinos Europeus.

Durante a conferência sobre a liberdade religiosa, o Pe. Andrzej Halemba, especialista em Oriente Médio para a Ajuda à Igreja que Sofre, descreveu os problemas dos cristãos na região, especialmente após a chamada "primavera árabe", confirmando o compromisso de ajudar os cristãos a permanecerem na sua terra natal sempre que possível.

O Pe. Halemba enfatizou a importância da educação. "Os cristãos não devem ser menos educado do que o resto da sociedade; devem ser mais", disse ele, ressaltando que as escolas católicas estão abertas tanto para muçulmanos quanto para cristãos, e que elas promovem a compreensão e o respeito mútuo.

Segundo o especialista da Ajuda à Igreja que Sofre, é preciso ajudar também os cristãos que, para escapar da perseguição, procuraram refúgio no exterior. "A Ajuda à Igreja que Sofre sempre foi a voz daqueles que não têm voz em público", finalizou.