Sacerdote assassinado no México e outro na Guatemala

Violência local tira a vida dos dois pastores

| 1096 visitas

MADRI, segunda-feira 30 de janeiro de 2012 (ZENIT.org) .- Com um dia de diferença, foram assassinados dois sacerdotes nos países vizinhos do México e Guatemala. Em ambos os casos, a Igreja atribuiu o que aconteceu à atividade de gangues criminosas no primeiro caso e ao clima de crescente violência no segundo.

O padre Genaro Diaz, da paróquia da Imaculada Conceição, localizada em Villas de la Hacienda, Atizapan, México, foi assassinado na manhã do 28 de janeiro dentro da casa paroquial.

Pedro Gonzalez Mendoza, diretor de Segurança Pública e Trânsito de Atizapán, informou que, aparentemente, o assassinato ocorreu entre 6hs e 7hs deste sábado.

Disse que o sacerdote, de 68 anos, estava de pijama e chinelos, e pelo que parece escutou ruídos ou tocaram e abriu a porta da casa paroquial.

Espera que o pessoal do Gabinete de Justiça da entidade realize as perícias técnicas adequadas, porque a olho nú não dá para determinar se foi baleado por uma arma de fogo ou recebeu alguma pancada de algum objeto, como um pedaço de pau.

O bispo da Diocese de Nezahualcoyotl, Hector Luis Morales Sanchez lamentou a morte do sacerdote pelas mãos de gangues criminosas.

Reconheceu que em alguns municípios da diocese ainda estão ocorrendo atos de violência e que a insegurança para as pessoas, entretanto, corresponde a todos os mexicanos, que devem se cuidar e denunciar qualquer fato ilícito.

Afirmou que, dada a insegurança, quando há assistência mínima de católicos, fecham as igrejas para evitar roubos ou possíveis ataques à religiosos.

Diante desta situação, pediu aos católicos da diocese, que inclui os municípios de Nezahualcoyotl, Los Reyes La Paz e Ixtapaluca, que estejam atentos a quaisquer atos de agressão e acionem as medidas de segurança.

O bispo expressou suas condolências à família do sacerdote assassinado e exortou a continuar trabalhando com as famílias para que se formem nos valores "e não tenhamos mais fatos como o que estamos lamentando agora."

Além disso, na manhã do 27 de janeiro a Igreja de Guatemala vestiu-se de luto pelo assassinato do Padre David Donis Barrera, de 60 anos, pertencente à comunidade do Santa Rosa, que estava viajando com o sacristão da Paróquia da Sagrada Família, Vicente Donis Barrera, que saiu ileso.

O padre David brutalmente assassinado no km 52 da estrada entre a fronteira com El Salvador tinha acabado de celebrar a missa, e seguia para a cidade de Guatemala, onde houve um acidente automobilístico.

O motorista do outro veículo alcançou o do sacerdote, e em retaliação pelo acontecido disparou a queima-roupas contra o padre. Guatemala, com 14,3 milhões de habitantes e uma média de 16 assassinatos por dia, é uma das mais violentas da América Latina. Em 2011, umas 6.000 pessoas foram mortas.

Centenas de vizinhos, além de representantes da Igreja Católica participaram neste domingo no funeral do padre, em Nueva Santa Rosa.

Monsenhor Rodolfo Quezada, Arcebispo da Guatemala, foi forte em condenar o fato e exigiu que "este crime seja esclarecido, especialmente agora que o governo tem dado a sua palavra para reduzir a violência."

Monsenhor Quezada disse: "Esta morte junta-se aos milhares de guatemaltecos que perderam suas vidas no país, tanto agora como conflitos armados". Convidou a rezar e agir para a paz.

Durante a missa, celebrada por monsenhor Barnabé Sagastume, Bispo de Santa Rosa, verificou-se uma longa fila de pessoas que se aproximavam do caixão para ver pela última vez o padre David. Ao vê-lo, pediam para ter paz o mais breve possível no país. Sobre o caixão foram colocadas as vestes de seu sacerdócio e uma Bíblia. O bispo rezou pela conversão dos assassinos do religioso.

David Donis Barrera estava destinado, há dois anos, à Paróquia Sagrada Família, de Oratorio, Santa Rosa, e exerceu o seu ministério sacerdotal por mais de 40 anos. Os paroquianos disseram que imitarão o seu exemplo de amor a Deus.

[Tradução Thácio Siqueira]