Santa Maria Madalena Postel

Santa Maria Madalena testemunhou a alegria do Evangelho refletida no amor aos irmãos e na propagação da fé.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 450 visitas

“O silêncio é a custódia de todas as virtudes”, assim viveu Santa Maria Madalena Postel que nasceu em 28 de novembro de 1758 na Normandia, França. Batizada com o nome de Júlia Francisca Catarina Postel, a pequena era filha dos camponeses João Postel e Thereza Levallois e seu padrinho era o dono da fazenda onde moravam.

Júlia recebeu de seu padrinho o patrocínio dos estudos, os quais foram recebidos no colégio da Abadia Real das Irmãs Beneditinas. Júlia tinha grande atenção e preocupação com os jovens que não tinham acesso aos estudos e após formar-se professora, retornou à sua cidade e fundou uma escola onde ensinava didática e catequese a todos os jovens, adultos e até o clero da época acorria às suas orientações. Acolhia os pobres, viúvas, doentes e quando não tinha mais recursos pedia esmola aos mais ricos para manter sua obra.

No ano de 1789 a Revolução Francesa imprimiu terrível perseguição à Igreja e ao povo. Júlia foi orientada por seu Bispo a fechar a escola e esconder-se em sua casa com os livros sagrados e o Santíssimo Sacramento. Assim continuou suas catequeses e organizava a realização da missa. Em 1802 cessaram as perseguições e com a ajuda do padre Cabart e duas amigas, Júlia fundou a Congregação das Filhas da Misericórdia. Em 8 de setembro de 1807 o bispo acolheu os votos religiosos da Congregação e Júlia adotou o nome de Madre Maria Madalena. Continuou através da Congregação o trabalho de educação através da escola e posteriormente a pedido de Roma foram se ramificando por toda a França, Alemanha e Países Baixos atuando também como enfermeiras. Em 1832 a Congregação estabeleceu-se na Abadia Beneditina de Saint-Sauveur-le-Vicomte.

Madre Maria Madalena Postel restaurou conventos e igrejas e zelou profundamente pela formação de suas irmãs até os noventa anos de idade, vindo a falecer no dia 16 de julho de 1846. Foi beatificada no ano de 1908 e canonizada em 1925 pelo Papa Pio XI.