Santa Sé alerta sobre mortes por acidentes automobilísticos

Mais de 1 milhão de pessoas morrem nas estradas cada ano

| 781 visitas

BANGKOK, terça-feira, 19 de outubro de 2010 (ZENIT.org) - Cerca de 700 mil - de um total de 1,3 milhão - de mortes anuais por acidente de trânsito acontecem na Ásia e na Oceania. Este é o trágico balanço sobre o qual chama a atenção o congresso internacional de pastoral das estradas, que começou hoje em Bangkok (Tailândia).    

O encontro foi organizado pelo Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, em parceria com a Federação de Conferências Episcopais da Ásia (FABC). É o terceiro de uma série de congressos continentais sobre a pastoral das estradas e o primeiro que se realiza na Ásia e Oceania.

Nesta reunião em Bangkok, participam 55 responsáveis, provenientes de 18 países.

Um dos objetivos fundamentais deste encontro é tratar do elevado número de mortes ocorridas em acidentes de trânsito, cerca de 3 mil por dia.

Segundo um comunicado oficial do Conselho Pontifício, a morte por acidentes de trânsito se converteu em "um fenômeno global muito preocupante".

Os acidentes de trânsito provocam a morte de 1,3 milhão de pessoas por ano, dentre as quais 500 são menores de idade; 90% destes acidentes acontecem em países pobres ou em vias de desenvolvimento.

O Conselho observa com preocupação que, particularmente na Ásia e no Pacífico, as mortes anuais chegam a 700 mil, e a ONU prevê que em 2020, cerca de 60% dos acidentes de trânsito ocorram nessa região do mundo.

Direção segura

Assim, entre os objetivos do encontro de Bangkok destacam-se: "promover o entendimento e a educação entre todos os motoristas sobre a ética nas estradas, uma direção segura e uma caridade humano-cristã na rua/estrada", além de incentivar a atenção pastoral aos caminhoneiros e outras pessoas que trabalham muitas horas na estrada.

O Conselho destacou que o apostolado dos que trabalham nas estradas ou vivem nas ruas "abrange um amplo espectro daqueles que se veem forçados, de uma forma ou de outra, a viver fora dos limites de uma vida normal no lar e uma atenção paroquial cotidiana".

Os participantes do encontro considerarão temas como "a atenção pastoral aos usuários das estradas e ferrovias, a promoção de uma ética da estrada, digna e cristã, as mulheres e crianças de rua e as pessoas sem lar".

Procurarão melhorar seus programas ministeriais e unir esforços para debater novas estratégias de colaboração com outras organizações, com o objetivo de proteger a dignidade da pessoa humana e garantir seu bem-estar.

O Conselho destacou que o encontro de Bangkok também se ocupará dos problemas da prostituição e do tráfico de pessoas, que "chegou a níveis sem precedentes, até o ponto de que pode ser considerado como uma nova forma de escravidão".