Santa Sé aprova estatutos do Caminho Neocatecumenal

A Igreja confirma «genuinidade do carisma», diz o cardeal Rylko

| 801 visitas

Por Jesús Colina

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 13 de junho de 2008 (ZENIT.org).- Em uma celebração de caráter familiar, a Santa Sé entregou nesta sexta-feira os estatutos definitivos do Caminho Neocatecumenal, uma das realidades eclesiais de maior crescimento, surgida após o Concílio Vaticano II.

O encontro foi presidido pelo cardeal Stanislaw Rylko, presidente do Conselho Pontifício para os Leigos, e intervieram os iniciadores do Caminho, Kiko Arguello e Carmen Hernández, bem como o sacerdote Mario Pezzi.

No final da cerimônia, que aconteceu na sede desse organismo vaticano, o cardeal Rylko explicou à Zenit o significado desse gesto.

«Significa a confirmação por parte da Igreja da autenticidade, do caráter genuíno do carisma que se encontra em sua origem, na vida e na missão da Igreja», disse o purpurado polonês a aproximadamente 100 pessoas.

«O Caminho já tem uma longa história na Igreja, mais de 40 anos, e traz à vida da Igreja muitos frutos, muitas vidas mudadas profundamente, muitas famílias reconstruídas, muitas vocações religiosas, sacerdotais, e muito compromisso a favor da nova evangelização.»

«Portanto – acrescentou –, é um momento de grande alegria para a Igreja, é um momento de grande alegria para a realidade eclesial que recebe este reconhecimento.»

Durante a cerimônia, o cardeal deixou três orientações particulares aos membros das comunidades neocatecumenais: obediência aos bispos, reconhecimento do papel do presbítero e fidelidade aos textos litúrgicos da Igreja.

Em sua resposta, Kiko Arguello agradeceu a Bento XVI, a João Paulo II e a Paulo VI. Este último lhe disse em uma ocasião, segundo recordou: «Seja humilde e fiel com a Igreja e a Igreja lhe será fiel».

Carmen Hernández sublinhou que o importante não é o Caminho Neocatecumenal, mas a Igreja, e convidou quem segue este itinerário de iniciação cristã à humildade.

Depois, na tarde desta sexta-feira, os iniciadores do Caminho ofereceram sua primeira coletiva de imprensa da história para manifestar este agradecimento à Santa Sé, no centro diocesano do Caminho Neocatecumenal, que se encontra junto ao Vaticano.

Kiko Arguello revelou que neste momento a Santa Sé está estudando os textos das catequeses do Caminho para que possam ser publicados e distribuídos entre as dioceses do mundo.

Segundo Arguello, a única mudança significativa que introduzem os estatutos definitivos com relação à liturgia afeta a maneira de receber a Comunhão durante a Eucaristia, que implicará numa ligeira mudança no referente ao costume que vinham seguindo.

A comunhão, conforme a prática habitual das comunidades, continuará sendo recebida sob as duas espécies, e é distribuída pelos ministros na assembléia, em lugar da procissão dos fiéis que se realiza normalmente no rito romano. Esta forma se mantém nos estatutos definitivos mas, para a recepção do Pão, o fiel deverá colcocar-se em pé diante do ministro. No caso da comunhão com o Cálice, essa continuará sendo recebida sentado, para evitar que o vinho transborde.

Em relação à saudação de paz, mantem-se após a oração dos fiéis e antes de começar a liturgia eucarística, ainda que se procure que este momento não quebre a ordem e o recolhimento da assembléia. 

O Caminho Neocatecumenal, nascido em 1964 em Palomeras Altas, um dos bairros mais pobres de Madri, encontra-se difundido em 107 países, conta com 20 mil comunidades, 70 seminários diocesanos missionários Redemptoris Mater, que deram à Igreja 1260 presbíteros.

O Caminho está presente em 5.700 paróquias de 1.200 dioceses. Mais de 600 familiares deixaram sua terra para ir evangelizar as áreas mais descristianizadas do planeta, vivendo entre os pobres.

A aprovação dos estatutos acontece após cinco anos desde a aprovação da primeira versão dos estatutos «ad experimentum».