Santa Sé: existe «vínculo estreito» entre astronomia e religião

A Igreja se une à comemoração do Ano Internacional da Astronomia

| 1504 visitas

Por Carmen Elena Villa

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 30 de janeiro de 2009 (ZENIT.org).- «O ano da astronomia representa hoje para a Santa Sé uma importante ocasião de aprofundamento e de diálogo», afirma a Santa Sé em um comunicado emitido nesta manhã.

O comunicado foi divulgado por ocasião da apresentação do Congresso Internacional «O caso de Galileu, uma releitura histórica, filosófica e teológica», que será realizado em Florença de 26 a 30 de maio próximos, e de cuja organização faz parte o Conselho Pontifício para a Cultura. 

A Organização das Nações Unidas proclamou 2009 como o Ano da Astronomia, para comemorar os 400 anos das primeiras descobertas astronômicas de Galileu Galilei.

A nota de imprensa ressalta que «existe um estreito vínculo entre a contemplação do céu estrelado e as religiões», devido a que «em quase todas as culturas e civilizações, a observação do céu está impregnada de um sentido profundamente religioso». 

«Também a Bíblia conserva as pistas desta sabedoria antiga, que sublinha a força criativa de Deus desde as primeiras páginas do Gênesis até a adoração dos Magos, passando pela aventura pessoal de Abraão, que via nas estrelas do céu a garantia segura da promessa divina», diz o comunicado. 

O caso Galileu

Galileu foi o primeiro homem em apontar o telescópio para o céu. Desta maneira, ampliou «os limites do conhecimento humano, obrigando-nos a ler o livro da natureza sob uma nova luz», diz a nota de imprensa. 

«No começo se pensava que a lua era uma estrela brilhante. Pensava-se que era um dos planetas junto ao sol. Quando Galileu apontou o telescópio para a lua, viu uma coisa inaudita, nunca antes vista. Ele percebeu que na lua há alguns pontos luminosos e disse: ‘A lua não é este corpo perfeito: tem montanhas, é outra terra’», assegurou durante a coletiva de imprensa Paolo Rossi, professor emérito de História da Ciência da Universidade de Florença, que será um dos palestrantes do congresso que acontecerá em maio. 

Por sua parte, Dom Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício para a Cultura, falou do caminho de reflexão que a Igreja fez com o caso específico de Galileu. 

Referiu-se ao Concílio Vaticano II, em cuja constituição Gaudium et spes diz que «são, a este respeito, de deplorar certas atitudes que, por não compreender bem o sentido da legítima autonomia da ciência, ocorreram algumas vezes entre os próprios cristãos; atitudes que, seguidas de fortes polêmicas, induziram muitos a estabelecer uma oposição entre a ciência e a fé». 

Dom Ravasi disse que o juízo de Galileu, «por um lado deve levar-nos sempre à autocrítica do passado, como a que fez João Paulo II», referindo-se ao Dia do Perdão realizado por João Paulo II durante o primeiro domingo da Quaresma do ano 2000. 

Não obstante, o prelado assegurou que não se pode «ficar no tribunal da história, é necessário abrir-se ao futuro. Abrir-se ao diálogo recíproco, conscientes de que tampouco a filosofia esgota as respostas». 

Em 1616, Galileu foi processado por sustentar a teoria heliocêntrica, que desconcertava não só os crentes, mas a sociedade em geral, que durante séculos havia crescido em um sistema de rotação solar e planetário diferente. 

Sua teoria parecia contradizer os textos da Bíblia que falam de maneira metafórica da rotação dos astros e da quietude da terra. Contudo, são muitas as lendas negras que surgiram a partir deste fato. Galileu não foi preso nem torturado e tampouco foi assassinado. Morreu de morte natural em 1642, em sua casa, uma vila em Arcetri, nos arredores de Florença. Sobre estes temas se aprofundará no Congresso que acontecerá no mês de maio.