Santa Sé, preocupada com refugiados, pede políticas de asilo solidárias

Intervenção em uma convocatória do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados

| 903 visitas

GENEBRA, quinta-feira, 5 de março de 2009 (ZENIT.org).- A Santa Sé, preocupada com a dramática situação de muitos refugiados, pediu que a comunidade internacional adote políticas de asilo solidárias. 

O pedido foi apresentado por Dom Silvano Tomasi, observador permanente da Santa Sé na ONU em Genebra, ao intervir na reunião convocada pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), segundo informa nesta quinta-feira a Rádio Vaticano

Dom Tomasi denunciou a morte, durante o ano passado, de mais de 1.500 pessoas enquanto tentavam entrar no território europeu. 

«Neste contexto, o prelado insistiu na necessidade de que as políticas nacionais e internacionais, assim como as disposições legais tenham uma base sólida em matéria de direitos humanos, onde o direito à vida ocupa o primeiro lugar», explica a emissora pontifícia. 

Após reconhecer que cada país tem o direito de definir sua própria política de imigração, o observador permanente da Santa Sé na ONU recordou que «as normas de proteção internacional dos refugiados devem ser respeitadas». 

O arcebispo acrescentou que esta preocupante situação não é exclusiva nem se circunscreve unicamente à Europa, mas se observam «tendências similares em vários países desenvolvidos e em desenvolvimento do mundo». 

Para Dom Tomasi, «a comunidade internacional não deve abandonar seu compromisso de receber e proteger pessoas perseguidas que fogem porque têm temores fundados e suas vidas estão ameaçadas». 

Também o observador da Santa Sé na ONU recordou que o crescente fenômeno dos menores não acompanhados que solicitam asilo é um pedido de atenção «porque nos revela a situação desesperada de algumas famílias». 

Por esta razão, Dom Tomasi indicou que «corresponde a todos abordar as causas profundas do deslocamento forçoso», porque «uma generosa resposta humanitária deve estar acompanhada de uma política igualmente comprometida».