Santa Sé prepara Congresso Mundial sobre Mulher

Para celebrar os vinte anos da carta de João Paulo II «Mulieris Dignitatem»

| 471 visitas

ROMA, quinta-feira, 20 de setembro de 2007 (ZENIT.org).- «Mulher e homem, a totalidade do humano». Assim se chama o grande congresso que o Conselho Pontifício para os Leigos está preparando para celebrar os vinte anos da carta apostólica de João Paulo II «Mulieris Dignitatem» (1988-2008).



O encontro acontecerá em Roma de 7 a 9 de fevereiro e está sendo organizado pela doutora Rocío Figueroa, encarregada do setor mulher de tal dicastério romano, presidido por Dom Stanislaw Rylko.

«Queremos que venham mulheres dos cinco continentes – explica Figueroa à Zenit; virá uma delegada por conferência episcopal e estarão representantes e líderes de associações católicas que promovem a mulher na igreja e distintos movimentos e novas comunidades. Também haverá mulheres acadêmicas que refletirão sobre o tema da mulher como teólogas, filósofas e psicólogas.»

O congresso contará com a participação de 250 pessoas – por convite – e terá como pano de fundo a carta de João Paulo II: «Esta carta apostólica é uma pedra angular no magistério pontifício, é a primeira vez que um documento pontifício fala especificamente sobre o tema da mulher».

O programa, cujos palestrantes ainda não se anunciaram, iniciará com um balanço da carta «Mulieris Dignitatem» e prosseguirá com uma conferência sobre «Jesus de Nazaré, Maria e as mulheres no Evangelho e na comunidade primitiva».

Seguirá um painel sobre «cristianismo e promoção da mulher» e uma conferência sobre antropologia e distintos debates nos quais se tratará da promoção da dignidade da mulher na Ásia, o papel da mulher na transmissão da fé na África, a tutela da dignidade da mulher na sociedade tecnológica e consumista (América do Norte) e a formação integral da mulher (América Latina).

«Um dos objetivos será o de aprofundar nos novos paradigmas culturais, como a redução da feminilidade a objeto de consumo, a ideologia de gênero ou a rejeição da maternidade e a família, além da mulher no mundo do trabalho», acrescenta Figueroa, que é doutora em cristologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana.

Figueroa recorda à Zenit que Bento XVI também manifestou em diversas ocasiões a admiração da Igreja pela contribuição da mulher: «Basta citar a catequese na audiência geral de 4 de fevereiro de 2007, dedicada precisamente à mulher e à sua responsabilidade eclesial desde as primeiras comunidades cristãs até hoje».