Santa Sé recorda a católicos e budistas o poder da educação para paz

Mensagem do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso pela festa budista de Vesakh

| 498 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 25 de abril de 2007 (ZENIT.org).- Elemento fundamental para a paz no mundo, a educação deve ser sustentada por todos os setores da sociedade, alerta o Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso.



Como todos os anos, o dicastério -- presidido pelo cardeal Paul Poupard -- enviou aos budistas uma mensagem de felicitação por ocasião da festa -- que se celebra em diferentes países nestas semanas -- de Vesakh, a mais importante para os seguidores dessa religião.

«Cristãos e budistas: educar as comunidades para viverem em harmonia e em paz» é o título do texto no qual se afirma a necessidade de tantas pessoas no mundo de aprender sobre os outros e suas crenças, para superar preconceitos e incompreensões.

Superar esta realidade «requer muito compromisso por parte dos líderes, tanto civis como religiosos», adverte a mensagem -- publicada nesta quarta-feira pela Santa Sé --, assinada pelo cardeal Poupard e pelo secretário do citado dicastério, o arcebispo Pier Luigi Celata.

«A Educação para a paz -- lê-se na mensagem-- é uma responsabilidade que deve ser sustentada por todos os setores da sociedade.»

Esta tarefa começa na família -- «o pilar fundamental da sociedade» -- que se «esforça por transmitir valores tradicionais e sadios às crianças», declara.

De fato, «as gerações mais jovens merecem crescer, e de fato amadurecem -- observa --, com uma educação fundada em valores» reforçando «o respeito, a acolhida, a compaixão e a igualdade».

Daí a importância de que «as escolas, tanto públicas como confessionais, façam todo o possível por apoiar os pais no delicado mas satisfatório dever de educar seus filhos na estima por tudo o que é bom e verdadeiro», assinala o dicastério.

Igualmente, aponta as luzes e sombras dos meios de comunicação com relação à formação ou deformação dos jovens, sublinhando a importância de que seus profissionais «utilizem sua consciência moral», tornando possível «transmitir conhecimento, preservar os valores sociais e apresentar a dimensão transcendente da vida que nasce da natureza espiritual de cada indivíduo».

«Em última análise, o objetivo da verdadeira educação é guiar cada um para que se encontre com o fim último da vida», assinala o presidente do Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-Religioso.

Isso «motiva a pessoa a servir a humanidade desalentada», constata.

Cita também o ensinamento conciliar de que «todo o gênero humano compartilha uma origem e um destino comum: Deus, nosso Criador e fim último de nossa peregrinação terrena».

Os budistas no mundo são aproximadamente 360 milhões, e se encontram praticamente todos na Ásia.

«Nós, católicos e budistas, mantemos boas relações, e nossos contatos, colaboração e realização de diversos programas nos ajudaram a aprofundar em nosso conhecimento recíproco», reconhece o cardeal Poupard.

«Desejo que juntos possamos continuar contribuindo com a paz e a harmonia em nossas sociedades e no mundo», conclui sua mensagem.