Santo Afonso Maria de Ligório

Conhecendo, testemunhando e anunciando a fé pautada na doutrina, Santo Afonso nos aponta o caminho para o céu.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 644 visitas

Afonso de Ligório nasceu em Marianella cidade de Nápoles na Itália, em 27 de setembro de 1696. Seus pais eram nobres e ricos cristãos que tiveram sete filhos sendo Afonso o primogênito. Dois dias após o seu nascimento, Afonso foi batizado e foi crescendo e sendo educado com vigor pelos pais, tanto no campo acadêmico quanto na fé e na doutrina católica. Aos dezesseis anos, já doutorado em direito civil e canônico, empreendeu uma carreira belíssima no campo da advocacia. Até os vinte e sete anos, advogou em favor dos pobres mas perdeu seu primeiro caso de grande repercussão, fato que o fez abandonar a carreira e decidir-se a seguir o caminho religioso.

Em 1723, ingressou como noviço no Oratório de São Felipe Neri. Foi ordenado em 21 de dezembro de 1726. Adotou o nome de Maria em honra à Mãe de Jesus a qual era profundo devoto. Dedicou seus primeiros anos de apostolado ao acolhimento dos pobres e marginalizados. Fundou centros de oração chamados Capelas Noturnas nas quais aconteciam catequeses, orações e atividades comunitárias e caritativas. Em 1729 iniciou missões pelo interior de Nápoles. No dia 09 de novembro de 1732 fundou a Congregação do Santíssimo Redentor, também conhecida como Padres Redentoristas. Afonso dedicou-se mais ainda, juntamente com a congregação, à catequese e pregação aos locais mais remotos da região. Combateram fortemente a heresia do jansenismo.

Em 1762, Afonso foi sagrado bispo de Sant'Agata de Goti e teve um fecundo período de episcopado. Após treze anos e acometido de uma artrite degenerativa grave, recebeu permissão para se aposentar e retirou-se para uma comunidade redentorista onde lá concluiu diversas obras espirituais.

Faleceu no dia 1º de agosto de 1787 em Nocera dei Pagani na Itália. Foi beatificado no dia 15 de setembro de 1816 pelo Papa Pio VII e foi canonizado no dia 26 de maio de 1839 pelo Papa Gregório XVI. O Papa Pio XII declarou Afonso como santo padroeiro dos confessores e moralistas em 26 de abril de 1950.