Santo Arnolfo

O anseio pelo sagrado motivou Santo Arnolfo a dedicar sua vida a Deus dando testemunho de fidelidade e docilidade à vontade de Deus.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 422 visitas

Arnolfo nasceu por volta do ano 582 na cidade de Metz na antiga Gália, hoje França. Nasceu no seio de uma família cristã muito fervorosa e nobre. Desde cedo se dedicou aos estudos obtendo grande êxito por seu talento e bom comportamento. Após seus estudos casou-se com uma nobre e teve dois filhos: Anseghisel e Clodulf. Neste tempo, de grandes conflitos e guerras na região da Gália, Arnolfo foi enviado para o reino da Austrásia para ficar a serviço do rei Teodeberto II. 

Arnolfo desempenhou excelente trabalho, orientado por Gundulf, prefeito do palácio, e tornou-se um dos primeiros ministros do rei, tendo firme atuação administrativa e militar, o que lhe valeu a regência de seis províncias do reino. Embora tivesse uma vida cheia de honrarias, Arnolfo aspirava às virtudes espirituais e chegava a sonhar com os mosteiros. Mas com a morte do rei, o rei dos francos Clotário II assumiu o poder e conhecendo a fama de Arnolfo o nomeou conselheiro e confiou-lhe a educação de seu filho Dagoberto o qual posteriormente se tornaria um dos grandes reis católicos.

Arnolfo conheceu Romaricus, um oficial da corte muito devoto e fervoroso na fé. Havia decidido com ele peregrinar no intuito de consagrar sua vida a Deus, mas no ano 611, o rei Clotário nomeou Arnolfo bispo de Metz. Nesta época eram admitidos homens casados em funções eclesiais. Teve notável atuação, dando vigoroso testemunho de fé e virtudes em seu episcopado. Em 625 participou dos concílios nacionais dos bispos em Reims e Clichy.

Com o passar dos anos, Clodulf, filho de Arnolfo, foi sagrado bispo de Metz e seu pai abandonou os cargos da corte para dedicar a vida a Deus ingressando em um mosteiro fundado por seu amigo Romaricus nas montanhas de Vosges. A partir daí dedicou-se a oração, a penitência e as obras de caridade.

Faleceu no dia 18 de julho de 641. Seus restos mortais foram transferidos cerca de um ano depois, pelo Bispo Goeric, para a Basílica dos Santos Apóstolos, em Metz que após o fato adotou o nome do santo.