São João de Sahagún

João de Sahagún testemunhou a firmeza e a docilidade próprias daqueles que amam a Deus e defendem sua fé transmitindo-a a todos.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 245 visitas

Juan Gonzalez de Castrillo Martinez nasceu em 1430 na vila de San Facundo, atual Sahagún, no reino de León na Espanha. Sua família era nobre e cristã. Seus pais, Don Juan Gonzalez e Sancia Martinez possuiam muitos bens e terras, das quais algumas foram doadas à diocese de Burgos.

João desenvolveu seus estudos com os monges da abadia de São Facundo e estudou teologia na Universidade de Salamanca. Ordenou-se sacerdote no ano de 1453 sendo nomeado em seguida capelão da diocese de Burgos. Com a morte do bispo, João doou seus bens, ficando apenas com uma residência, que tornou-se a capela de Santa Agnes em Burgos. Continuou seu trabalho de catequese, celebração da Santa Missa e pregação do evangelho aos camponeses e mais pobres. Após um tempo, foi então estudar teologia na universidade de Salamanca.

Notável nos estudos e na fé, João teve em Salamanca uma participação essencial exercendo seu ministério na capela do Colégio São Bartolomeu e sendo virtuoso conciliador na disputa de dois partidos que aconteceu na cidade. Seus conselhos, e sobretudo sua dedicação e firmeza na confissão e na pregação converteram ideias e corações daqueles que disputavam entre si. Após nove anos na cidade foi acometido de grave doença e prometeu que se ficasse curado ingressaria em uma congregação religiosa. No ano 1463, viu-se completamente curado e apresentou-se para o ingresso na Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho, na igreja de São Pedro, em Salamanca, e no dia 28 de agosto de 1464, fez sua profissão.

No ano 1471 foi nomeado mestre de noviços da Congregação. Era muito ousado e firme em seus sermões e possuía o dom de perscrutar o coração dos fiéis alertando-os de seus pecados e orientando-os à conversão. A tradição nos revela que sua morte foi fruto de um envenenamento por parte de uma mulher que teve seu companheiro, com o qual vivia ilicitamente, e que foi convertido por Juan, retornando à família. Sua morte ocorreu no dia 11 de junho de 1479.

Foi declarado beato no ano 1601 pelo Papa Clemente VIII e no ano de 1690 canonizado pelo Papa Alexandre VIII que autorizou seu culto para o dia 12 de junho.