São Luís Orione

A caridade tem fome de ação: é uma atividade que tem sabor divino, sabor de eternidade. Assim falou, viveu e se santificou São Luís Orione.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 286 visitas

“...pai dos pobres, benfeitor da humanidade sofredora e abandonada...”. Assim o Papa Pio XII definiu São Luís Orione. De origem italiana, nasceu na cidade de Pontecuore, um pequeno município na Diocese de Tortona, no dia 23 de junho de 1872. Sua família era simples, mas fervorosa na fé católica e assim foi educado o jovem Luís Orione. No dia 14 de setembro de 1885, o jovem de treze anos de idade entra para a Ordem Franciscana no Convento de Voghera. Após um ano do seu ingresso foi acometido de uma doença que lhe enfraqueceu muito vindo assim a sair do convento.

O período de 1886 à 1889 desenvolveu seus estudos no Oratório Salesiano onde era aluno de Dom Bosco. Em 1889 Luís entrou para o Seminário Diocesano de Tortona, onde desenvolveu trabalhos voltados para acolhimento e cuidado com os pobres e necessitados. Fervoroso em seu apostolado, abriu em 1892 um oratório para ministrar a educação na fé cristã e para colher as crianças necessitadas e posteriormente um internato com a mesma finalidade.

No ano de 1895 foi ordenado sacerdote e empreendeu outras fundações e sob a companhia de outros padres e seminaristas fundou a “Pequena Obra da Divina Misericórdia” que recebeu aprovação canônica em 1903.

No ano de 1908, partiu em socorro às vítimas dos terremotos de Reggio e Messina, prestando-lhes grande ajuda física e espiritual. Fato este que lhe conferiu a nomeação a Vigário Geral da Diocese de Messina, onde ficou por três anos. Fundou outros ramos de sua Congregação e em virtude do fim da Primeira Guerra Mundial ampliou seus trabalhos pastorais e missionários por vários países, inclusive o Brasil, pregando o Evangelho, acolhendo os pobres, organizando missões populares e difundindo forte devoção mariana.

Faleceu em 12 de março de 1940, vítima de graves doenças cardíacas e respiratórias. Em 1980 foi proclamado beato e canonizado pelo Papa João Paulo II em 16 de maio de 2004.