São Nazário e São Celso

Nazário e Celso testemunharam a jovialidade e vigor do anúncio do Evangelho e pelo martírio foram inseridos na vida eterna.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 399 visitas

Nazário nasceu no primeiro século na cidade de Roma. Seu pai chamava-se Africano e era pagão e sua mãe Perpétua, virtuosa cristã a qual também alcançou as honras dos altares. A trajetória de vida do menino dividia a vontade dos pais, que conforme Africano deveria ser um sacerdote a serviço dos deuses pagãos enquanto Perpétua o queria nos caminhos de Deus. Prevaleceu o querer de sua mãe que o educou na fé católica e aos nove anos o batizou e com isso incorreu também a conversão de seu pai Africano.

Nazário foi batizado por São Lino, sucessor de São Pedro. Após o batismo tomou parte na companhia de São Lino sendo um de seus auxiliares. Ingressou no exército de Roma e por toda a Itália pregava o Evangelho em suas investidas. Este fato chegou ao conhecimento do imperador Nero que o perseguiu e prendeu. Nazário conseguiu fugir, mas novamente foi preso e desta vez flagelado sob a ordem do governador Anolino que o expulsou de Milão. Nazário foi para a Gália, sempre levando o Evangelho a todos que passavam em seu caminho.

Estando em Cimiez, próximo à cidade de Nice, após a conversão de uma rica senhora, esta confiou a Nazário a tutela de seu filho Celso de nove anos que foi por ele batizado. O jovem acompanhou Nazário por todas as cidades e juntos realizaram grandes feitos de evangelização, convertendo pessoas e realizando milagres. Foram para a Alemanha na cidade de Treves onde fundaram uma comunidade cristã. Os pagãos da região revoltaram-se e prendendo-os os jogaram no rio, mas por milagre os dois flutuaram e andaram sobre as águas. Assustados, os pagãos os mandaram embora.

Retornando a Milão, os dois jovens foram outra vez perseguidos por Nero que desta vez os prendeu e condenou a serem decapitados em praça pública. No ano 396, no dia 28 de julho, Ambrósio, bispo de Milão teve uma visão de onde estavam as relíquias de Nazário e Celso. Foi então estabelecido o culto e a festa em honra aos dois mártires.