São Pedro Crisólogo

As palavras escritas de Pedro Crisólogo ecoaram com a força da doutrina e da fé sendo um brado que nos apontou o céu aqui na terra.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 417 visitas

“Pedro das palavras de ouro”, assim era conhecido o santo que nasceu em Ímola na Itália, por volta do ano 380. Seus pais eram cristãos e desde cedo foi educado em sólida doutrina e fé católica, assistido por Cornélio, bispo de Ímola, que o batizou e ordenou diácono. O acompanhou também em sua caminhada a imperatriz romana Galla Plácida que fez de Pedro seu conselheiro e em 424 influenciou seu filho, o imperador Valentiniano III, a sagrá-lo Arquidiácono da cidade de Ravena.

Pedro desempenhou com zelo e fervor sua função eclesiástica que no ano de 433, foi indicado pelo imperador para ser consagrado bispo da diocese de Ravena. Assim aconteceu e o próprio Papa Xisto III consagrou Pedro. Conhecido como o “doutor das homilias”, Pedro escreveu cento e setenta e seis homilias explicando e aprofundando assuntos da doutrina católica, dogmas e catequeses, combatendo heresias e empreendendo com isso grande jornada de conversões e resgate de almas para a Igreja. A partir daí recebeu o nome de Chrysologus que quer dizer palavras de ouro, ficando conhecido como Pedro Crisólogo. Escreveu ainda uma série de homilias dedicada a São João Batista e à Virgem Maria.

Pedro teve determinante participação nos concílios de Éfeso e Calcedônia, nos quais combateu fortemente e venceu a heresia Monofisita de Eutiques. Este ainda teria recorrido a Pedro por conta de sua condenação e em carta Pedro o advertiu severamente a abandonar a heresia e obedecer ao bispo de Roma.

Pedro Crisólogo faleceu em Ímola por volta do ano 450. Alguns historiadores apresentam datas diferentes para sua morte sendo a mais provável o dia 31 de julho. Em 1729 foi declarado Doutor da Igreja e em 1969 após o Concílio Vaticano II sua festa litúrgica foi fixada em 30 de julho.