São Valentim, patrono dos namorados

Bispo de Terni e mártir, foi criador de centenas de milagres e conversões

| 1668 visitas

Por Pietro Barbini

ROMA, terça-feira 12 de Junho de 2012 (ZENIT.org) -  Hoje se celebra o dia de São Valentim no Brasil, 14 de Fevereiro em Portugal, festa dedicada “aos namorados”. Chocolates, rosas, jóias e as lembranças mais impensáveis: hoje em dia a comemoração do santo patrono dos namorados transformou-se no festival do consumismo, do materialismo e do eros desenfreado, comercializada ao ponto de esquecer a razão desta festa, quem foi realmente São Valentim e o que ele tem a ver com os namorados.

Esta tradição, inicialmente, foi espalhada pelos monges da ordem de São Bento, que foram os primeiros guardiões da Basílica dedicada ao Santo, que continha seus restos mortais, e instituída pelo Papa Gelásio I em 496, com a intenção de substituir a antiga festa pagã dos Lupercalia, comemorada no mesmo dia pelos romanos em honra do deus Fauno, que era o protetor dos animais e, ao mesmo tempo divulgar a mensagem do amor cristão através do trabalho de São Valentim.

Mas quem foi realmente Sao Valentim? Nascido em uma família nobre, foi consagrado bispo de Terni, na idade de 21 anos por São Feliciano de Foligno, e no 270 foi chamado a Roma, a convite do filósofo e orador grego e latino Cráton, onde pregou o Evangelho, convertendo muitos pagãos, graças também à sua oratória eloqüente. Diz-se que quando falava “todos pendiam dos seus lábios que abria o coração até mesmo dos pagãos mais endurecidos em seus vícios”. Foi muito amado e respeitado pelo povo, dada a sua particular atenção às crianças, aos doentes e aos jovens, que muitas vezes pediam-lhe conselhos. Morreu decapitado na idade de 97 anos, no ano 273, depois de ter sido flagelado  fora dos muros de Roma ao longo da Via Flaminia, por causa das perseguições contra os cristãos sob o imperador Aureliano.

Até o momento existem poucos documentos que contam a vida do Santo mártir: o documento mais antigo data do século VIII e narra alguns detalhes do martírio, da tortura, da decapitação e da sepultura por obra dos discípulos Próculo, Efebo e Apolônio, também eles decapitados por terem pego o corpo do Santo; os próprios discípulos dizem-nos do milagre que provocou a conversão imediata de muitas almas, incluindo a eles mesmos, ou seja, a cura de Chermone, o filho do Cráton, atacado por uma paralisia.

Após este milagre, o mesmo Cráton, nascido de uma família pagã, se converteu ao cristianismo, sendo batizado com sua esposa e a família inteira, e ao mesmo tempo, também se converteram os seus alunos: Atenieses, Próculo, Efebo, Apolônio e Abondio, filho de Annio Placido, que era prefeito de Roma; foi Abondio que recolheu os corpos martirizados de Efebo, Proculo e Apolônio, que enterrou ao lado de São Valentim. Também Cráton, junto com toda a família, foi condenado à morte sob a acusação de seguir Valentim; o único sobrevivente foi o filho Chermone (diz-se que foi ele quem construiu a primeira basílica dedicada ao santo padroeiro de Terni).

Narram-se muitos milagres realizados pelo Santo, como muitos são também as narrações populares proferidas ao longo dos séculos, por exemplo, aquele que diz ter dado a visão à filha cega de seu carcereiro, Asterius (quando foi capturado e preso pela primeira vez por ordem Imperador Claudio II, o Gótico).

Outro milagre importante remonta ao 225 dC e foi a cura de um escravo em seu leito de morte (depois de tal milagre o irmão, Fonteyo Triburzio, iniciou o seu serviço na casa de Cráton em Roma). Doentes de todos os tipos vinham regularmente à sua casa pedindo orações e curas (curas que muitas vezes aconteciam); conta-se que todos entravam com sofrimentos na sua casa e saíam confortados e fortalecidos no espírito. Aquilo que o Santo fazia, de fato, era convidar as pessoas a louvar e agradecer a Deus, insistindo na fé, o único meio graças ao qual, dizia, é possível curar.

A sua associação com os namorados, então, refere-se ao seu longo ministério. Ao longo da sua vida, de fato, o santo dirigiu uma atenção especial aos jovens e seus familiares, que acolhia dentro do seu belíssimo jardim de flores, dando a todos conselhos e apoio. Valentim repetia com frequência: "Deus nos ama e devemos devolver-lhe este amor, amando o próximo como ele nos amou”. Era normal dar uma rosa aos jovens namorados que iam até ele pedindo uma benção. As famílias que estavam em dificuldades econômicas, ou que eram incapazes de ter filhos, convidava-as a olhar para a Sagrada Família de Nazaré, a confiar na providência divina, insistindo em voltar a atenção para a figura da Virgem Maria, incentivando-os, abençoando-os e orando com eles, assegurando-lhes sempre as suas orações.É por isso que São Valentim está associado ao Dia dos Namorados: na sua longa jornada da vida levou muito a sério os jovens casais e as famílias. Entre as histórias mais citadas está aquela segundo a qual o santo passeando pela estrada viu dois namorados brigarem e, aproximando-se, colocou uma rosa em cada um deles convidando-lhes a tê-las nas suas mãos e pouco tempo depois os dois se pacificaram jurando-se eterno amor; uma segunda versão, também, conta que Valentim, já bispo de Terni, fez voar em torno de dois namorados briguentos vários casais de pombos que trocavam efusões de afeto, de tal forma que inspiravam paz e amor nos dois.

Outra história famosa conta que Vatentim uniu em matrimônio a cristã Serapia com o centurião romano Sabino, um amor obstaculizado pelo pai dela, porque o centurião era pagão. Quando a jovem adooeceu gravemente, o centurião, no leito de morte, chamou Valentim pedindo-lhe, de acordo com Serapia, que ele fizesse algo para que eles nunca se separassem, de tal forma que naquele dia o bispo batizou o centurião pagão, uniu os dois jovens em matrimônio e logo depois os dois morreram. São Valentim, neste dia, é celebrado pela Igreja Católica, Ortodoxa e Anglicana.

[Traduçao Thácio Siqueira]