São Xisto III

É feliz quem a Deus se confia. O papa Xisto III deixa para nós um legado de grandes realizações que refletem a grandeza do amor de Deus e da intercessão da Virgem Maria.

Horizonte, (Zenit.org) Fabiano Farias de Medeiros | 255 visitas

Xisto nasceu em Roma por volta do ano 400. A história não narra muitos aspectos históricos sobre sua infância e juventude, mas é sabido que Xisto acompanhou em sua época os conflitos entre pelagianos e semipelagianos do sul da Gália e neste ente chegou a ter sua opinião e postura questionada pelo Papa Zózimo, pois se apresentava neutro diante das questões heréticas e de seu principal impulsionador, o teólogo João Cassiano.

Em meados do ano 420, Santo Agostinho combatia fortemente esta heresia e escreveu com propriedade a Xisto, que veio com isso a reconsiderar sua posição frente à situação.

Foi eleito Papa em 31 de julho de 432, sucedendo São Celestino e empreendeu em seu pontificado forte combate as heresias pelagianas. Agiu com tanta firmeza que precisou ser contido por Santo Agostinho que lhe aconselhou moderação nas questões. Conseguiu aplacar então a força desta heresia que seria erradicada definitivamente em 529 no Concílio de Orange.

Ainda no ano 431 teve participação determinante na conciliação entre os patriarcas de Constantinopla e Antioquia que levantavam sérias controvérsias sobre a divindade de Maria. Questões essas que viriam a ser erradicadas no Concílio de Éfeso.

Após o Concílio, o Papa Xisto III concentrou seus esforços em ampliar e concluir os trabalhos da Basílica de Santa Maria Maior, antes chamada Santa Mãe das Neves, em honra a Mãe de Deus. No dia 5 de agosto de 431, foi consagrada com o nome de basílica de "Santa Maria Maior". Além deste feito Xisto também é responsável pelo primeiro presépio que a história da Igreja tem conhecimento. Xisto mandou trazer de Belém tábuas que segundo a tradição haviam sido da manjedoura de Jesus e ali mandou reproduzir a cena do nascimento de Cristo. Introduziu no acidente a realização da Missa do Galo e reformou e construiu ainda muitas igrejas das quais podemos ressaltar a magnífica basílica de São Lourenço na Itália.

Xisto faleceu em 19 de agosto de 440, sendo sucedido pelo papa Leão Magno. Sua celebração no dia 28 de março aconteceu por conta  da última reforma oficial do calendário litúrgico.