Se Satanás assume uma dimensão pública ...

Nos Estados Unidos surge a polêmica por causa de alguns eventos blasfemos autorizados pelas instituições. Em Setembro está prevista uma "missa negra" em uma sala da prefeitura de Oklahoma City: os católicos protestam

Roma, (Zenit.org) Federico Cenci | 615 visitas

A idéia de que os adoradores do maligno sejam confinados a lugares escondidos está talvez desaparecendo? Nos Estados Unidos, é crescente a percepção de que o ocultismo esteja aumentando de forma significativa, de modo a chegar a ter até mesmo uma dimensão pública. Há alguns meses atrás saiu nos noticiários internacionais a notícia de que um grupo de estudantes da prestigiada Universidade de Harvard tinha organizado dentro do campus um "seminário histórico-religioso" sobre o fenômeno da Missa Negra (as "missas negras"), com demonstrações práticas. Somente uma hora antes do início do evento, por causa do clamor suscitado, o decano dos estudantes decidiu cancelar.

Naquela ocasião, foram gastos palavras enérgicas de condenação contra o chamado "seminário histórico-religiosa" por parte do cardeal Sean O'Malley, arcebispo de Boston, que havia afirmado em uma entrevista com o Boston Globe: "O mal reúne um grande encanto do mundo, mas, como você sabe, não leva a nada de bom. Implementar algo que pudesse ofender tantas pessoas é realmente uma ação a ser considerada repugnante".

Ação repugnante que tinha encontrado uma forte condenação por parte dos estudantes católicos. Em muitos tinham organizado uma vigília de oração conjunta com a prevista demonstração prática de uma “missa negra” e em centenas tinham se unido à marcha organizada para desafiar "um ato de ódio contra a Igreja e seu fundador, Jesus Cristo".

O que tinha em maior medida tinha rasgado as sensibilidades dos cristãos foi o anúncio por parte de um dos organizadores do evento blasfemo, de que seria usada “uma hóstia” durante a celebração. Não ficou claro se seria uma hóstia consagrada. "Consagrada ou não, não significa nada para nós", explicou ambiguamente o organizador, que responde ao nome de Lucien Greaves, porta-voz do grupo "O Templo satânico".

O grupo foi também causou várias outras polêmicas nos últimos tempos. De todas é importante lembrar a coleta de fundos para colocar diante do Parlamento de Oklahoma uma estátua de Satanás para educar as crianças. O grupo justificou a iniciativa como uma resposta à escultura em granito representando os Dez Mandamentos, que é orgulhosamente exibida na frente do prédio. Não foi uma provocação grotesca, porque o “Satanic Temple” teve, em dezembro do ano passado, o primeiro sim da Comissão para erguer a estátua.

E esse não foi o único gesto de amizade das instituições do Oklahoma a favor do autodefinido grupo satânico. Nas últimas semanas, é questão de debate, no exterior, a "missa negra" pré-anunciado pelo mesmo "Templo satânico", que seria realizada no dia 21 de setembro em uma sala do Centro Cívico, edifício de propriedade da cidade de Oklahoma City.

No dia 2 de julho, Bill Donohue, presidente da Liga Católica, emitiu uma carta para lembrar às autoridades locais que em uma instalação municipal não podem ocorrer manifestações "ilegais, indecentes, obscenas, imorais, ou de natureza tal que possam constituir uma ofensa pública". Características que, segundo Donohue, são próprias "do que se gostaria de encenar" no dia 21 de setembro próximo.

Parece que se poderá assistir ao evento através da compra dos bilhetes que deveriam ser colocados à venda proximamente. No tema também falou mons. Paul Coakley, Arcebispo de Oklahoma City. Com uma carta começou por recordar que "a Missa é o centro do culto católico e celebra a redenção do mundo por Jesus Cristo através de sua morte e ressurreição". O prelado expressou a tristeza dos católicos pelo fato de que o Centro Cívico "queria promover como entretenimento e vender ingressos para um evento que é uma paródia blasfema da Missa".

"Em um espírito de esperança", o Arcebispo de Oklahoma City pede, portanto, "para aqueles que estão permitindo este evento para reconsiderar se este é um uso adequado do espaço público". Evento que o prelado chama de "descaradamente inflamatório" e está confiante de que os "membros do Conselho de Administração do Centro Cívico de Oklahoma" não vão permitir ou incentivar.

Mons. Coakley adverte que, aonde a autorização aos auto-definidos satânicos fosse confirmada, os católicos não permanecerão inertes. “Teremos que considerar outras soluções pacíficas, de oração, para mostrar a nossa oposição a este ato de sacrilégio com o apoio público". Por fim, o arcebispo convida todos os católicos a rezar "por um renovado sentido do sagrado" e "para que o Senhor possa mudar os corações e as mentes dos organizadores deste evento".