Secretário do Papa: afeto dos fiéis às vezes o surpreende

«Ele procura não chamar a atenção», explica Dom Gaenswein

| 637 visitas

LORENZAGO DI CADORE, quinta-feira, 26 de julho de 2007 (ZENIT.org).- O afeto que os habitantes dos Montes Dolomitas manifestaram a Bento XVI em seus passeios durante as férias de verão às vezes o surpreende, reconhece seu secretário.



O Santo Padre «fica surpreso, inclusive intimidado» ante manifestações de carinho dos fiéis que o encontraram em suas saídas por Cadore, mas «aprendeu muito bem esta linguagem carinhosa», explicou Dom Georg Gaenswein em declarações ao jornal «Il Giornale».

«De vez em quando se pode ver que o Papa fica surpreso, inclusive intimidado ante tanto afeto, simpatia e amor demonstrado pelos fiéis», disse o secretário do Papa, que chegou em 9 de julho com o bispo de Roma à localidade alpina italiana de Lorenzago di Cadore para passar umas férias que concluem nesta sexta-feira.

«No começo, compartilhei esta observação. Depois pude constatar que o Papa aprendeu muito bem essa linguagem carinhosa, respondendo com gestos simples e humildes, mas muito eloqüentes», acrescentou.

«E as pessoas percebem imediatamente que o Papa não busca aplausos e não quer chamar a atenção, mas quer guiar os fiéis a Cristo. Este é o autêntico objetivo da reação do Papa. E o coração dos homens o entendeu muito bem.»

O secretário do Papa explicou também que nos dias de férias, Bento XVI esteve informado da situação internacional, pois os contatos com a Secretaria do Estado Vaticano e com seus colaboradores mais próximos não se interromperam.