Sede Santos

Reflexões de Dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro

| 1222 visitas

RIO DE JANEIRO, sexta-feira, 02 de novembro de 2012 (ZENIT.org) - O início do mês de novembro traz à tona algumas reflexões importantíssimas para a nossa vida. Qual o sentido da vida humana, o que nos faz ser realmente humanos, para onde iremos após o tempo em que passamos aqui nesta Terra? Chegando ao final do ano litúrgico, (já estamos na 31ª semana do Tempo Comum) a comemoração de todos os fiéis defuntos (que chamamos Dia de Finados) e a grande solenidade de Todos os Santos colocam diante de nossos olhos esses questionamentos profundos do ser humano. Mesmo para os que não professam uma fé específica, estas perguntas estão no profundo do ser de cada pessoa.

Ainda mais: o Ano da Fé, que iniciamos, é uma oportunidade importantíssima de aprofundar o que a Igreja catalogou no decorrer de sua história como consequência da revelação cristã sobre esses assuntos. Na primeira parte do Catecismo da Igreja Católica, nos artigos sobre a Profissão de Fé iremos encontrar no “creio na vida eterna” as orientações claras sobre em que acreditamos, sobre o porvir de nossa vida, e também no “nossa vocação à bem-aventurança” o anúncio do chamado à felicidade eterna.

A esperança cristã está solidificada na pessoa de Jesus Cristo. O homem espera pela lógica da confiança, olha para o futuro e espera o seu cumprimento em uma eternidade feliz. Sua esperança é de fato ancoradaem Deus. Os Santossão pessoas felizes, bem-aventurados porque iluminados pela ação do Espírito Santo. São também a melhor forma de evangelizar! É a vida que anuncia o Evangelho que, como consequência, deverá ser explicitado e proclamado ao mundo.

Todas as suas esperanças em Deus – que se tornou para eles tudo – tanto na vida quanto na morte, sempre os aproximaram dos irmãos vendo neles, pela fé, o próprio Deus humanado, Jesus Cristo. Viver a vocação à santidade é mergulhar ainda mais na vida humana, encontrando Cristo nos irmãos e irmãs. Basta ler e conhecer a vida dos santos de ontem e de hoje. São belíssimos exemplos da gratuidade do dom de Deus e a alegre correspondência humana a esse dom que leva a pessoa ao encontro com o seu irmão. O caminho para a sua total confiança em Cristo os fez, por meio do sofrimento físico e espiritual, libertos na experiência mística da noite escura para a luz eterna.

O chamado à santidade, a viver a vida batismal, a conversão constante manifestam a sua confiança em Deus e a alegria de servi-Lo na vida de oração e no serviço aos irmãos.

Os santos estavam sempre cheios de confiançaem Deus. Cadasanto tinha, no seu silêncio, um profundo diálogo com Deus através da oração: orar e trabalhar pelo Reino de Deus! Sempre tiveram um enorme fascínio pelo mistério da santa Eucaristia. A Eucaristia é o centro e o ápice da vida cristã. Por isso, os santos gastam todos os seus momentos mais importantes aos pés do Santíssimo, em adoração, para depois se dirigirem aos irmãos, alimentados pela fé e testemunhas de servos de Jesus Cristo. Assim, a contemplação junto à Eucaristia não se encerra apenas no altar, mas se estende aos irmãos. Ali é a continuidade da santidade que cada um é convidado a revelar e manifestar, já que convive com Cristo na Eucaristia, que contempla e recebe em cada santa missa. E nisto se dá o testemunho contínuo do aúncio da Ressurreição de Jesus Cristo. Por isso, a Eucaristia é o dom precioso que hoje continua santificando os fiéis, fazendo com que todos sejam Santos com os Santos!

Sentimos também a necessidade de contemplar nesse dia aquela que soube ouvir a voz de Deus e correspondeu ao chamado: Maria, a Mãe do Senhor! Ela, na sua humildade, acolheu o convite de Deus para ser a Mãe do Salvador. Maria foi a Santa fiel que nos convida à fidelidade ao projeto de Deus.

A XIII Assembléia Ordinária Geral do Sínodo dos Bispos, que no último dia 28 de outubro foi encerrada pelo Papa Bento XVI, em Roma, tratou da nova evangelização para a transmissão da fé cristã. Sermos testemunhas credíveis do Evangelho de Jesus Cristo foi uma manifestação unânime das intervenções.  O Papa Bento XVI, no dia 21 de outubro passado, dentro do âmbito do Ano da Fé e do Sínodo da Nova Evangelização, proclamou sete novos santos, como modelos de santidade para a nova Evangelização. Dos sete santos está representada toda a Igreja em suas categorias de servidores, como sacerdotes, religiosos, religiosas, leigos e leigas. Homens e mulheres. Viveram na Europa, Ásia, África, América e Oceania. Do jesuíta missionário em terras longínquas que morre mártir em Madagáscar, ao sacerdote educador e formador de jovens em dificuldades, à doente que desenvolve durante décadas na sua cama a preciosíssima missão espiritual do sofrimento. Do jovem catequista leigo filipino, também ele mártir, até a religiosa dedicada ao cuidado dos leprosos e aquela que se consome pela educação de crianças, jovens e operários. Nesse clima de nova evangelização e de caminhada para a Jornada Mundial da Juventude, contemplamos com carinho a jovem Catarina Tekakwita, fruto extraordinário do primeiro anúncio da fé entre as tribos dos índios da América. Por isso mesmo os santos são, desde sempre, as testemunhas mais credíveis da fé cristã, da presença viva e operante do Espírito de Jesus Ressuscitado, da transformação da humanidade graças à potência misteriosa do Evangelho.

Assiste-nos na nova evangelização o Santo Espírito Paráclito. Sem o Espírito Santo a Igreja não vive, muito menos difunde eficazmente o Evangelho num mundo que, com a mudança de época, de cultura e de mentalidade, apresenta dificuldadesem aceitar Jesus Cristo, mas que tem uma imensa necessidade de encontrar gratuidade de amor, alegria e esperança. É a busca do sentido da vida. Esse desejo de infinito do coração humano só tem uma resposta: a eternidade de Deus!

A vida cristã somente tem sentido se caminharmos na acolhida do dom da santidade. Portanto, celebrar o Dia de todos os Santos é para nós celebrar a oportunidade de reconhecer nosso convite à vida oferecido por Deus, nosso batismo e vocação à santidade. A santidade começa agora com o nosso sim e a vida de conversão. Vida batismal vivida com todas as consequências de que se deixa conduzir pelo Espírito Santo. É o grande sinal que o mundo necessita. É a melhor maneira de evangelizar! É a razão primeira e última de nossa vida! É hoje, portanto, a nossa resposta!

Feliz Dia de Todos os Santos! Não tenhamos medo de abrir nossos corações para a feliz aventura da santidade!

† Orani João Tempesta, O. Cist.

Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro, RJ