Seguidores do islã jejuaram no sábado, atendendo ao pedido do papa

Declarações do ativista iraniano Mahmud Amiry-Moghaddam, presidente da organização não governamental Iran Human Rights

Roma, (Zenit.org) Redacao | 665 visitas

Cidadãos iranianos residentes em todo o mundo, tanto cristãos quanto seguidores do islamismo xiita, da fé Bahai ou laicos, todos membros da organização Iran Rights Watch, jejuaram no último sábado, 7 de setembro, e rezaram em particular pela paz na Síria e em solidariedade com o povo sírio. As informações são da agência Fides, que entrevistou o ativista iraniano Mahmud Amiry-Moghaddam, presidente da organização não governamental que promove os direitos humanos e as liberdades civis no Irã.

A ONG, que reúne muitos iranianos na diáspora, “valoriza o gesto simbólico do papa Francisco e se junta [à iniciativa] para demonstrar o seu apoio aos direitos do povo sírio”, disse o presidente antes do evento, reafirmando “a preocupação com a situação da Síria, que foi abandonada a si própria pela comunidade internacional”.

Mahmud Amiry-Moghaddam declarou à Fides que, “depois de muitos crimes atrozes cometidos nesta terra, e depois do uso de armas químicas, não podemos ficar indiferentes. Temos que fazer alguma coisa, resgatar o povo sírio. A guerra é uma aventura sem retorno. A comunidade internacional não pode observar passivamente o imenso sofrimento do povo sírio. Todos nós estamos de acordo com o papa em evitar uma intervenção militar na Síria, mas são necessários esforços concretos para uma solução política. Infelizmente, a Síria está hoje no centro de várias pressões políticas cruzadas, e a questão ficou muito complicada”.

Quanto à situação do Irã, o líder da organização afirma: “Eu não acho que o novo presidente iraniano, Rouhani, possa mudar de alguma forma a política exterior da República Islâmica, já que é o líder espiritual supremo quem decide”.