Seis ou sete anos para abertura de arquivos secretos sobre Pio XII

Declaração do Pe. Federico Lombardi, S.J.

| 769 visitas

CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 31 de outubro de 2008 (ZENIT.org).- O enorme trabalho humano que exige a catalogação dos documentos requer seis ou sete anos antes de que possam abrir-se os arquivos secretos vaticanos relativos ao pontificado de Pio XII (1939-1958), declarou o porta-voz da Santa Sé.

O Pe. Federico Lombardi S.J., diretor da Sala de Informação da Santa Sé, respondeu com uma nota aos pedidos que Roma recebeu neste sentido, em particular por parte de representantes judeus e de historiadores.

"Prescindindo da discussão se seria possível oferecer novidades relevantes no conhecimento histórico sobre o pontificado de Pio XII, o pedido é em si mesmo compreensível e justificado desde o ponto de vista da metodologia dos estudos históricos", reconhece o porta-voz.

Contudo, acrescenta, "deve-se compreender bem o que isso comporta como trabalho de preparação".

A abertura do Arquivo Secreto Vaticano aos especialistas foi decidida por Leão XIII em 1881, e seus sucessores continuaram com esta prática.

"O princípio que geralmente se seguiu foi o de abrir aos especialistas os documentos de cada pontificado, e não em virtude de um limite de tempo (por exemplo, 50, 70, 90 anos, como acontece com outros arquivos), pois o Arquivo não está estruturado segundo um esquema cronológico, mas precisamente por pontificados."

Até agora, a abertura se estendeu a todo o pontificado de Pio XI (portanto, até 1939), e os documentos são acessíveis desde 2006.

A abertura aos estudiosos dos arquivos relativos a esses anos supõe um ingente trabalho de catalogação de mais de 16 milhões de documentos, declara o Pe. Lombardi. "Deve-se preparar 15.430 envelopes e 2.500 dossiês."

O sacerdote informa que "o prefeito do Arquivo Secreto, Dom Sergio Pagano, afirmou recentemente que com os recursos atuais são necessários pelo menos seis ou sete anos".

"Antes desse período, não é realista pensar que se dê uma abertura aos especialistas desses arquivos – explica o Pe. Lombardi. Naturalmente, uma vez que o trabalho de catalogação tiver terminado, dado que o Arquivo Secreto é Arquivo do Papa, a decisão final sobre a abertura corresponderá ao próprio Santo Padre", conclui.