Seis temas centrais do Sínodo da Palavra

Balanço após a primeira semana

| 2567 visitas

Por Jesús Colina

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 13 de outubro de 2008 (ZENIT.org).- Depois das 191 intervenções preparadas e lidas e de 99 intervenções livres, que ressoaram entre os dias 6 e 13 de outubro na sala do Sínodo dos Bispos sobre a Palavra, seis temas receberam um interesse particular. Não são os únicos, mas são alguns dos mais mencionados.

1. A Palavra não é a Bíblia

O Sínodo começou esclarecendo um mal-entendido comum entre muitos crentes: como explicou em sua relação antes do debate o cardeal Marc Ouellet, P.S.S., arcebispo de Québec, a Palavra não é um simples texto escrito, é o próprio amor de Deus feito homem em Cristo.

Portanto, a Palavra é muito mais que a Bíblia. De fato, o Novo Testamento nasce no seio da Igreja nascente e implica portanto a Tradição e a interpretação do Magistério.

Entre os dias 7 e 8 de outubro, numerosas intervenções dos padres sinodais insistiram neste esclarecimento.

Os próprios padres afirmaram que este Sínodo não busca reescrever a constituição dogmática Dei Verbum, do Concílio Vaticano II, que já explica estas questões doutrinais. Portanto, não é um sínodo doutrinal (ainda que recorde verdades do magistério), mas sobretudo pastoral.

Outras questões, como a inspiração dos autores bíblicos, não foram discutidas, portanto, diretamente; vários padres sinodais pediram um documento da Santa Sé sobre a interpretação das Sagradas Escrituras e inclusive se propôs que tenha caráter de texto papal, em forma de encíclica.

2. Pregar com o exemplo: o problema das homilias

A preocupação pelo nível das homilias em geral se repetiu constantemente na primeira semana do sínodo (cf. Zenit, 7 de outubro de 2008).

Por um lado, o sínodo está oferecendo soluções concretas para este problema, ao qual se chegou a atribuir o abandono da Igreja por parte dos fiéis.

Vários bispos pediram um “diretório homilético”, como já existe um “diretório para a catequese”, com indicações práticas sobre a pregação.

Neste sentido, o cardeal Angelo Scola, patriarca de Veneza, relator do Sínodo de 2005 sobre a Eucaristia, confirmou que a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos está preparando um subsídio com material para as homilias temáticas que possa servir de ajuda para os sacerdotes ao preparar a pregação. Não é um manual de pregação.

Numerosos bispos insistiram também na necessidade de que os seminaristas e sacerdotes não somente estudem a Bíblia, mas que aprendam a saboreá-la, meditando-a, como fez nesta segunda-feira o cardeal Agostino Vallini, vigário do Papa para a diocese de Roma.

Pois bem, muitos bispos, particularmente nas intervenções livres, explicaram que a homilia não é só questão de formação retórica ou acadêmica.

Citou-se várias vezes as famosas palavras de Paulo VI, quando dizia que o mundo escuta os professores, mas segue as testemunhas. Se a palavra do pregador não é acompanhada pela vida, perde toda a sua credibilidade, constatou-se.

Neste sentido, recordou-se também a expressão de Bento XVI quando explica que a Palavra não é só “informativa”, mas “performativa”, isto é, deve modelar a vida de uma pessoa.

3. A "lectio divina"

Talvez um dos termos mais repetidos esta semana tenha sido “lectio divina”. A meditação orante da palavra de Deus, particularmente em comunidade (existem diferentes metodologias, como os 7 passos para compartilhar o Evangelho), parece converter-se na proposta que os participantes deste sínodo querem fazer a cada paróquia.

Pode-se dizer, portanto, que a eficácia prática deste sínodo poderá ser medida dentro de 10 anos segundo a extensão desta prática, que foi impulsionada desde o início do seu pontificado por Bento XVI.

4. Antigo Testamento

Vários padres constataram a dificuldade que os católicos têm para ler e meditar sobre o Antigo Testamento. Deste modo, não podem gozar em plenitude da revelação divina. Este fenômeno se agrava em alguns ambientes por outros dois fenômenos.

No caso das Igrejas Orientais, como explicou Dom Kidane Yebio, de Keren (Eritréia), na sagrada liturgia praticamente nunca se lêem passagens do Antigo Testamento.

No caso dos cristãos do Oriente Médio, por causa do conflito entre israelitas e palestinos e de interpretações sionistas da Bíblia, rejeitam a leitura ou meditação do Antigo Testamento.

Este grave fenômeno foi constatado em particular por 2 patriarcas: Sua Beatitude Fouad Twal, patriarca de Jerusalém dos Latinos, e Sua Beatitude Grégoire III Laham, B.S., patriarca de Antioquia dos Greco-Melquitas (Síria). Este último explicou, como exemplo, que em uma celebração litúrgica, um fiel havia trocado a expressão bíblica “Povo de Israel” por “Povo da Palestina”.

5. Exegese

Nos primeiros dias do Sínodo, foram numerosas as exposições de bispos nas que constatavam como uma exegese acadêmica da Bíblia levava às vezes a duvidar da historicidade mesma de Cristo ou de que a Escritura seja um texto revelado.

Este leitura sem fé do texto revelado teria levado católicos a buscarem uma interpretação de fé em grupos protestantes. Ainda que este tema preocupa profundamente o Sínodo, a assembléia também sublinhou a importância da contribuição da exegese para a compreensão da Palavra.

Na relação de abertura, o cardeal Ouellet propôs aos exegetas e biblistas uma visão de fé e de escuta do espírito, superando assim, desde o início, um debate não necessário. Fé e ciência bíblica não estão em conflito – insistiram os bispos.

6. Traduções e distribuição da Bíblia

O tema foi apresentado à assembléia por Dom Louis Pelâtre, vigário apostólico de Istambul (Turquia), quem constatou que em muitas línguas locais ainda não se havia traduzido a Bíblia.

Quando estas populações minoritárias são pobres, tampouco existem recursos para imprimir e distribuir bíblias a preços acessíveis.

Foram numerosas as intervenções de bispos africanos, latino-americanos e asiáticos para pedir que se crie um organismo na Igreja Católica que ajude em todos os sentidos a resolver este grave problema, também do ponto de vista econômico.

Ambiente

Desde que se restabeleceu a prática de convocar o Sínodo dos Bispos, após o Concílio Vaticano II, esta assembléia é talvez a mais serena, sinal de uma nova unidade encontrada na Igreja depois de várias divisões de décadas passadas. Assim o constatava, por exemplo, o cardeal Óscar Rodríguez Maradiaga, arcebispo de Tegucigalpa, nesta segunda-feira.

A este ambiente de unidade contribuiu o tema escolhido por Bento XVI, “a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja”, tema que toca o coração de cada um dos presentes.