"Sem amor, a vida humana não tem sentido"

Evento Life Happening 2012 é organizado pelo Movimento Italiano pela Vida

| 1116 visitas

ROMA, quinta-feira, 2 de agosto de 2012 (ZENIT.org) - "O sim à vida envolve um compromisso de amor", afirma a doutora P. Pellicano, do Centro de Regulação Natural da Fertilidade do Insituto Paulo VI, da Universidade Católica de Roma. A palestra de Pellicano abriu o segundo dia do evento Life Happening 2012, organizado pelo Movimento pela Vida, na Itália.

O homem não pode viver sem amor, porque a sua vida não teria sentido, diz ela. "A vida humana é uma experiência contínua de amor: desde a concepção, a criança se relaciona com a mãe graças a este vínculo profundo de amor". Falar de amor, portanto, é falar de pessoa, e nele não há espaço para o egoísmo nem para o utilitarismo, que nos empurram a consumir em vez de doar.

Amar é doar-se. E aquilo que é doado só pode ser doado "totalmente" e "para sempre", afirma a doutora Pellicano em sua palestra. Um doar-se parcial não seria doar-se de verdade, e doar-se com prazo seria o mesmo que emprestar-se. Só a totalidade do amor nos leva a compreender a beleza da vida humana e a reconhecer que o dom da fertilidade "é o momento da preparação, a fonte da vida". É a fertilidade que expressa a capacidade de dar a vida, e é por isso que a união do amor e da vida explica a beleza da sexualidade.

A palestra seguinte, “Descobrir a maravilha da vida humana”, foi dada pela doutora B. Felicetta, ginecologista do Centro de Apoio à Vida, de Catanzaro. Ela aprofundou a maravilha da vida humana, “que é um caminho e um olhar”. Toda pessoa é única e irrepetível, e é para isto que nós temos que olhar com estupor, com o mesmo olhar que nos faz acompanhar o crescimento da criança no útero da mãe e reconhecer a sua força e beleza. A vida, o amor e a sexualidade se tornam uma só coisa na explicação da maravilha da vida humana.

Para finalizar a sessão, o presidente italiano do Movimento Pela Vida palestrou sobre "O reconhecimento jurídico na Itália e na Europa da pessoa concebida".

À tarde, os protagonistas foram os artistas do grupo Black Mamba, juntamente com 200 jovens hóspedes do Seminário Quarenghi. Depois de uma manhã de intensas reuniões e depoimentos, os jovens se divertiram em uma grande festa.

O nome do encontro foi "Diga um sim para a vida", o mesmo que o grupo usa nas animações das Jornadas pela Vida em Catanzaro. Todas as músicas, revisitadas em estilo jazz-funk, abordavam nas letras a maravilha da vida. Das palavras do grupo, formado há quatro anos, transparece o desejo de comunicar a beleza da vida: "Quando tocamos, nós ficamos emocionados e vivemos pessoalmente a positividade que queremos transmitir". A música é a maneira mais universal e simples de transmitir uma mensagem tão complexa como a do amor pela vida.

Os momentos de música se intercalaram com depoimentos sobre a experiência dos voluntários do Centro de Apoio à Vida de Catanzaro, que, diariamente, se doam para ajudar as mães e as famílias em dificuldade. O centro tem o compromisso de defender a vida nascente e promover a cultura do acolhimento, e é um modelo para todos os jovens que encontraram neste evento a inspiração para embarcar na jornada de voluntariado em sua própria cidade.

A edição do Life Happening 2012 prosseguirá com as palestras do doutor F. Ognibene, redator-chefe do jornal Avvenire, e do professor G. Gigli, que leciona neurologia na Universidade de Udine. Gigli abordará os estados vegetativos e a dignidade da pessoa.

Para mais informações sobre o evento:

www.seminarioquarenghi.blogspot.com

seminarioquarenghi@gmail.com

Trad.ZENIT