Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos completa cem anos

Publicados os materiais de preparação para o centenário

| 1584 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 18 de julho de 2007 (ZENIT.org).- A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos completará, no próximo ano, um século, conforme lembra o documento que as Igrejas cristãs acabam de publicar conjuntamente para a semana de 2008.



«Atualmente, a colaboração entre as Igrejas, as paróquias e as comunidades anglicanas, católica, ortodoxas e protestantes na preparação e na celebração da Semana de Oração pela Unidade é uma prática já familiar, o que é prova tangível da eficácia da oração pela unidade», afirma o texto.

«Justifica-se que podemos falar da história da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos como a de um êxito. É para nós fonte de grande alegria e profunda gratidão», acrescenta o documento preparado conjuntamente pelo Conselho Pontifício para a Promoção da Unidade dos Cristãos e a Comissão Fé e Constituição do Conselho Mundial de Igrejas.

O texto, publicado na Internet pelo site da Santa Sé (www.vatican.va) tem por objetivo ajudar aos mais de dois bilhões de cristãos das diferentes confissões a viver esta Semana do ano de 2008 que tem por tema: «Orai sem cessar», frase tomada da primeira carta de São Paulo aos Tessalonicenses (5, 17).

A primeira Semana, que então era chamada «Oitavário pela unidade da Igreja», foi promovida pelo padre Paul Wattson, sacerdote episcopal (anglicano) e co-fundador da Sociedade do «Atonement» de Graymoor (Garrisson, no Estado de Nova York), de 18 a 25 de janeiro de 1908.

O texto recorda que «quando o Padre Paul Wattson concebeu e levou à pratica o oitavário de oração», «para ele a unidade significava na verdade o retorno das diferentes Igrejas ao seio da Igreja católica romana».

«Isso influenciou na eleição das datas para o oitavário: este começaria em 18 de janeiro que naquela época no calendário católico romano era a data da “Festa da Cátedra de Pedro”, e se concluía em 25 de janeiro, Festa da conversão de Paulo».

«Depois da entrada da Sociedade do Atonement na Igreja Católica, em 1909, o Papa Pio X deu sua bênção oficial ao oitavário pela unidade», acrescenta o texto.

Outro dos protagonistas da história desta semana, em meados dos anos trinta, segundo explica o material distribuído, é o Abade Paul Couturier, de Lyon (França).

«Nesta época, a celebração do oitavário havia começado a estender-se para toda Igreja católica e em um pequeno número de comunidades anglicanas favoráveis à reunião com o bispo de Roma», recorda o documento.

«Contudo, por razões teológicas este enfoque era rejeitado por um grande número de cristãos que não pertenciam à Igreja católica. O Abade Couturier manteve as datas de 18 a 25 de janeiro mas modificou a terminologia: o objetivo da «Semana universal de oração pela unidade dos cristãos» que promovia era a unidade da Igreja «tal como Cristo quer», recorda.

A Semana de Oração é celebrada normalmente no hemisfério norte nessas datas, enquanto que muitos países do hemisfério sul a celebram durante oito dias que precedem a Pentecostes.

Neste século de história há uma data decisiva, sublinhada pelos textos preparatórios: «25 de janeiro de 1959, dia da conclusão do oitavário de oração pela unidade, quando o Papa João XXIII convoca o Concílio Vaticano II», acontecimento que permitiu à Igreja católica «entrar de maneira decisiva» «no movimento ecumênico».