Semana Nacional da Cáritas Portuguesa chama à igualdade

Com o lema «Acolhe a Diversidade - Abre portas à Igualdade», em fevereiro

| 554 visitas

LISBOA, sexta-feira, 25 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- Ao lançar a Semana Nacional da Cáritas, que a partir do dia 24 de fevereiro reflete sobre lema «Acolhe a Diversidade - Abre portas à Igualdade», o presidente do organismo assistencial em Portugal apontou a necessidade educar o olhar.

Eugénio José da Cruz Fonseca, em mensagem difundida hoje por Agência Ecclesia, recorda que, apesar do ano passado europeu ter sido dedicado à igualdade de oportunidades para todos, «verificamos, lamentavelmente, que persistem muitas ‘carências de olhar’» no âmbito da efetivação da igualdade.

Segundo Fonseca, o sistema econômico, laboral e político do continente, «por mais europeu e rico que se queira proclamar ao mundo, se apresenta sempre mais exclusivista, seletivo, competitivo e desigual».

Nesse sentido, é preciso educar o olhar, pois «a caridade cristã também depende do olhar».

«A nível da ação social da Igreja urge uma nova pedagogia do olhar desde as famílias, passando pelas nossas comunidades cristãs para chegar às escolas e autarquias», destaca.

«O próprio olhar de alguns, com responsabilidades na sociedade portuguesa, para com a presença da Igreja nas instituições sociais e educativas parece estar em mudança com o argumento pouco consistente de uma nova “laicidade da caridade” que corre o risco grave de tornar-se numa ofensa à tradição das obras de misericórdia cristã tão enraizadas na nossa lusa cultura.»

O presidente da Cáritas Portuguesa faz um apelo que a se abram as portas à igualdade. «Vamos ser fiéis à “ética do olhar” que não discrimina, mas que a todos escuta, acolhe e auxilia com inteligência».

Fonseca destaca ainda que é sobretudo «a nós cristãos leigos que a Igreja confia, em fidelidade ao principio da subsidiaridade, a aplicação prática e adequada dos princípios de reflexão, critérios de julgamento e diretrizes de ação próprias da Doutrina Social da Igreja».

«E porque advertimos desconhecimento e ignorância relativamente a esta doutrina, continuamos empenhados na divulgação da mesma, através de tantos modos, nas comunidades cristãs», afirma.