"Seu pontificado foi tão intenso que parece mais longo do que um ano", disse o Card. Dom Raymundo Damasceno

Presidência da CNBB se manifesta sobre o aniversário de um ano do pontificado de Francisco, a Campanha da Fraternidade, a Copa do Mundo, as Eleições e o Diretório de Comunicação da Igreja do Brasil.

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 341 visitas

Ao término de mais uma reunião do CONSEP, conselho permanente da CNBB, a presidência da Conferência dos bispos do Brasil, na pessoa do seu presidente, Cardeal Dom Raymundo Damasceno Assis, e do seu secretário, Dom Leonardo Ulrich Steiner, concedeu na tarde de hoje uma coletiva de imprensa na sua sede na cidade de Brasília.

O Cardeal Damasceno resumiu assim os pontos tratados nessa última CONSEP: aniversário de um ano do pontificado do Papa Francisco, Campanha da Fraternidade, Copa do Mundo, eleições e o Diretório de Comunicação da Igreja do Brasil.

Aniversário do Pontificado

“Seu pontificado foi tão intenso que parece mais longo do que um ano”, disse o prelado referindo-se ao Papa Francisco e destacando três aspectos importantes de Francisco: Gestos e sinais, Palavras e Realizações.

Desde a primeira saudação simples do pontífice recém-eleito até a visita a Lampedusa e ao Santuário de Aparecida, o Papa teve gestos que o fizeram “estar próximo ao povo e que são diferentes em relação aos outros pontificados”, afirmou o prelado.

As suas Palavras - continuou - caracterizadas por serem muito simples e diretas, colocando-se “sempre em defesa dos anciãos, dos mais pobres”, mostraram que “a partir daí é que se deve pensar e fazer política”. Detalhes como as suas homilias diárias marcaram esse primeiro ano de pontificado. E por fim a Exortação programática Evangelium Gaudium “que vem a mostrar que a igreja deve fazer as pessoas descobrirem a alegria do amor de Deus. Não uma alegria somente exterior, mas que brota do coração”.

A “Instituição do grupo dos 8, a aprovação do novo estatuto da autoridade financeira do vaticano, a criação do conselho e de uma secretaria para supervisionar a Santa Sé e o Estado do Vaticano em questões financeiras, composto de leigos e cardeais”, mostram um ano de muitas realizações. O prelado também destacou que Francisco dá a entender que a “reforma da cúria é apenas um dos aspectos da reforma da Igreja, e que é preciso também a reforma espiritual e pastoral”. A mesma “visita ao Brasil de 22 a 29 de julho de 2013. Ali as suas palavras conquistaram não só os jovens da jornada, mas o mundo inteiro”.

Campanha da Fraternidade

Referindo-se à Campanha da fraternidade, foi feito uma avaliação do seu andamento. O cardeal comentou que “tem provocado a sociedade em geral” já que antes era “um tema um pouco tabu”. Na mesma câmara dos deputados - disse o prelado-  estão preparando algo sobre essa campanha.

Perguntado por ZENIT se a Igreja também se pronunciaria sobre alguma forma concreta do tráfico humano, como é, por exemplo, o tráfico de embriões humanos, o cardeal disse que essa campanha da Fraternidade não “foca o aborto em si”, até mesmo porque a posição da Igreja é claríssima com relação a esse tema “como já disse várias vezes também o Papa Francisco”, mas trata da vida humana no geral, até mesmo porque “Não é só o aborto, a criança, o nascituro, mas inclusive pessoas adultas são assassinadas, abusadas, e isso é gravíssimo também”.

Copa do Mundo

Para essa ocasião foi lida a nota que a CNBB emitiu hoje sobre a Copa do Mundo. "Lamentamos que, na preparação para a Copa", o aspecto do dinheiro "tenha prevalecido sobre os demais, motivando manifestações populares que acertadamente reivindicam a soberania do país", diz a nota. A Conferência episcopal também denuncia que "por causa da Copa, famílias e comunidades inteiras" foram "removidas para a construção de estádios e de outras obras estruturantes, numa clara violação do direito à moradia".

Portanto, diz a nota, "A sociedade brasileira é convidada a aderir ao projeto 'Copa da Paz' e à Campanha 'Jogando a favor da vida - denuncie o tráfico humano'. "Conclamamos as Dioceses em cujo território estão localizadas as cidades-sede da Copa a oferecerem especial atenção religiosa aos seus diocesanos e aos visitantes". 

Diretório de comunicação

“Sempre foi um desejo da CNBB, o texto contou com a participação de profissionais. O texto quer contribuir com o objetivo de implementar a cultura da comunicação na Igreja do Brasil”. Dom Raymundo afirmou que o texto já está aprovado e pronto para publicação.

Manifestações e eleições

Perguntado pelos jornalistas se a Igreja estava a favor das manifestações durante a Copa, Dom Raymundo disse que a Igreja combate qualquer tipo de violência, seja da polícia ou dos manifestantes, mas que manifestar-se pacificamente é um direito que não pode ser tirado de ninguém, ressaltando, porém, o aspecto pacífico que sempre deve ter qualquer manifestação.

Dom Leonardo Steiner afirmou que a CNBB vai preparar uma espécie de Cartilha para ajudar os católicos do Brasil na hora de votar em Outubro desse ano, porém ainda se está refletindo sobre o assunto. “Há a possibilidade de uma cartilha para que o eleitor exerça seu direito de escolha. Não publicamos o documento porque será aprovado em reunião do 30 de Abril a 9 de Maio. Lá se discutirá esse documento”, disse o bispo, que depois será usado como fundamento para elaborar uma Cartilha mais acessível à população.