Síria, a preocupação dos bispos europeus

Os cristãos multiplicam o compromisso de oração pela paz na região

| 951 visitas

SAN GALLO, quinta-feira, 19 de julho de 2012 (ZENIT.org) - "Há meses, a Igreja e a comunidade internacional olha com grande apreensão e profunda tristeza preocupação a escalada da violência na Síria, onde as armas parecem ter substituído o diálogo”.

Com estas palavras o presidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE), o Cardeal Peter Erdö, comentou a pressão dos acontecimentos no país do Oriente Médio, em uma declaração assinada também por dois vice-presidentes da CCEE, Cardeal Angelo Bagnasco e o Arcebispo. Jozef Michalik.

"Esperamos que - acrescentam os bispos - que as autoridades do país, a população e todos os crentes de qualquer religião, olhem para Deus e encontrem o caminho para pôr fim a todas as hostilidades, deponham as armas e tomem o caminho do diálogo, da reconciliação e da paz”.

Para os cardeais Bangasco e Erdö e o Arcebispo Michalik "este conflito só pode trazer inevitáveis lutos, destruições e graves conseqüências para o nobre povo sírio. A guerra é uma rua sem saída. A felicidade só pode ser alcançada em conjunto”.

"Os próximos dias - continua a nota - podem ser decisivos para o êxito desta crise", para isso os cristãos da Europa devem "multiplicar o seu compromisso de oração pela paz na região", para que chegue a “uma possível solução para a crise, justa e construtiva, respeitando o interesse de todos”.

Para que isso aconteça, "é preciso encontrar novamente o espaço para um diálogo de paz; nunca é tarde demais para compreender, negociar e construir um futuro comum”.

"Estamos confiantes de que - conclui o comunicado da CCEE - com a ajuda de Deus, o bom senso pode prevalecer e levar a uma convivência pacífica na verdade, na justiça, no amor, na liberdade e no respeito por todas as minorias, em particular a dos cristãos no país”.

(Tradução:MEM)