Síria: Adoração noturna permanente pela paz e pelo fim do terrorismo

Arma poderosa da comunidade ecumênica do Mosteiro de São Tiago em Qarah

Roma, (Zenit.org) | 508 visitas

Diante do perigo e do futuro incerto e contra o mal da guerra e do terrorismo, "armas poderosas são a oração e a adoração do Santíssimo Sacramento": no mosteiro de São Tiago em Qarah, cidade localizada entre Damasco e Homs, a comunidade ecumênica residente, que acolhe vinte pessoas entre homens e mulheres religiosos de oito nacionalidades e diversas denominações cristãs, dedica seus dias a rezar sem cessar.

O pe. Daniel Maes, católico belga e responsável pela comunidade, disse à agência Fides que hoje e nos próximos dias o grupo fará adoração eucarística noturna, consciente do poder da oração e da fé na Providência de Deus. A comunidade é atualmente formada também por algumas famílias muçulmanas, cerca de vinte pessoas que se refugiaram no convento por causa do conflito civil.

Todo o mosteiro, porém, está em perigo. “Até agora ficamos a salvo da guerra, porque ambas as forças, governo e grupos de oposição, de alguma forma nos protegiam, sabendo da nossa vida de oração e de hospitalidade. Mas hoje, os grupos terroristas e jihadistas são cada vez mais numerosos e poderosos, e, conforme nos avisaram, poderíamos ser alvo de um ataque direcionado a qualquer momento. Mas para onde nós podemos ir? Toda a comunidade decidiu ficar e rezar. Com confiança e esperança”, declarou à Fides o pe. Maes, que vive no mosteiro junto com monges e monjas da Bélgica, da França, de Portugal, dos Estados Unidos, da Síria, do Líbano, do Chile e da Venezuela.

Com a iminência de um ataque militar pelas potências ocidentais, a comunidade ecumênica de Qarah apela pela paz, para que o "Ocidente encontre inteligência e responsabilidade e atue de acordo com a verdade", pede o pe. Maes. "Um ataque militar nunca é uma solução que gera a paz, mas apenas mais ódio. A Síria deve retornar aos valores que sempre viveu em séculos de história: a convivência e harmonia entre grupos étnicos e religiões, a bondade, a hospitalidade, a solidariedade que sempre caracterizaram a sociedade síria. O futuro só pode ser a unidade, que hoje imploramos a Deus".

(Agência Fides, 29/08/2013)