Síria, berço da cristandade

Uma exposição em Roma descobre lugares cristãos do país

| 1214 visitas

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 13 de setembro de 2007 (ZENIT.org).- Roma redescobriu as raízes cristãs ocultas na Síria com uma exposição apresentada no Palácio Maffei Marescotti, de 12 a 14 de setembro.



A mostra, através de sessenta fotografias, faz uma história do país como berço da cristandade.

O visitante pode situar-se, graças às imagens, ante a antiga aldeia da Maaloula, às portas de Damasco, em cujo caminho se converteu São Paulo, estabelecendo a primeira igreja cristã organizada em Antioquia, da qual partiu em muitas de suas viagens missionárias.

Como narram os Atos dos Apóstolos 11, 26: «Em Antioquia foi onde, pela primeira vez, os discípulos receberam o nome de ‘cristãos’».

No século XII, a Síria foi conquistada pelos árabes, e a cultura atual data daquela conquista muçulmana.

Dos quase vinte milhões de habitantes que a Síria tem hoje, quase 90% são muçulmanos e 10% cristãos.

A exposição recordou também as históricas imagens da entrada de João Paulo II na mesquita dos Omeyas, em 6 de maio de 2001, e na catedral greco-ortodoxa Al Mariamia.

A exposição propôs uma espécie de «viagem» à «Síria. Às raízes da cristandade». Foi organizada pelo Ministério de Turismo sírio, em colaboração com a Obra Romana de Peregrinações.

A exposição foi um meio para valorizar e promover este país situado em uma posição geográfica crucial, «testemunha de numerosas culturas que se sucederam e misturaram», afirmam os promotores do Ministério de Turismo de Damasco.

E sublinham: «a Síria é o coração dos três continentes do mundo antigo, e por isso, há milhares de anos, as caravanas da Rota da Seda chegavam a ela desde os quatro cantos do mundo, fazendo do país o ponto de encontro entre o Oriente e o Ocidente».

A mostra foi inaugurada em 12 de setembro, em presença de Dom Libério Andreatta, responsável pelo Palácio Maffei Marescotti, sede da Vicaria de Roma; do Pe. Cesare Atuire, administrador delegado da Obra Romana de Peregrinações; de Saadalla Agha al-Kallaa, ministro do Turismo sírio; de Samir Al-Kassir, embaixador da Síria em Roma; e de Faisal Najati, assessor para as Atividades Turísticas de Damasco.