Síria: milícias islâmicas usam morteiro contra uma igreja, provocando 12 mortes

Voluntários estavam no local distribuindo cestas básicas para a população

Roma, (Zenit.org) | 416 visitas

Combatentes armados dispararam vários tiros de morteiro contra uma igreja da província de Daraa, sul da Síria, no momento em que um grupo de voluntários distribuía cestas básicas para os moradores locais, provocando 12 mortes e deixando muitos feridos. As informações são do canal televisivo governamental Al-Ekhbarieh.

A agência de notícias Xinhua relata o incidente e comenta que “os cristãos sírios representam 10% da população do país, que tem maioria muçulmana sunita. A população cristã tem sido alvo de ataques de rebeldes radicais. O mais recente aconteceu no começo deste mês, quando fundamentalistas islâmicos tomaram o controle do povoado cristão de Maaloula, ao norte da capital, Damasco".

Em Maaloula, rebeldes islâmicos sequestraram doze freiras do mosteiro ortodoxo grego de Santa Tecla, no dia 3 de dezembro. Os únicos habitantes que restam no povoado são muçulmanos. Até o sequestro, também permaneciam as 40 freiras do mosteiro de Santa Tecla, que não saíram de Maaloula durante os conflitos porque estavam cuidando das dezenas de crianças que a guerra deixou órfãs.

O embaixador da Palestina na Espanha, Musa Amer Odeh, se ofereceu dois dias depois do sequestro como refém no lugar das doze religiosas, afirmando que "não existe nenhuma religião no mundo que permita o sequestro de religiosas que ajudam os mais necessitados". O embaixador aproveitou para exigir também a libertação dos dois bispos que foram sequestrados em abril na cidade de Aleppo.

Cinco pessoas morreram na manhã de ontem, 22, após mais um ataque com morteiros no distrito de Hamadanyeh, também na província de Aleppo.