Sri Lanka: Igreja chora por sacerdote assassinado

O Pe. Nicholaspilai Packiyaranjith tinha 40 anos

| 1145 visitas

MANNAR/COLOMBO, segunda-feira, 1o de outubro de 2007 (ZENIT.org).- Dez mil fiéis participaram no sábado, na catedral de São Sebastião de Mannar (Sri Lanka), do funeral do Pe. Nicholaspilai Packiyaranjith, assassinado em um atentado.



Quem presidiu a Eucaristia foi o bispo local, Dom Rayappu Joseph; concelebraram o bispo de Anuradhapura, Dom Norbert Andrade, o provincial dos Jesuítas no país, Pe. Maria Anthony; assistiram, além disso, outras autoridades religiosas e civis, 120 sacerdotes e uma centena de religiosas; junto a eles, representantes das agências internacionais de ajuda humanitária.

Desde a igreja aconteceu depois a maior procissão jamais vista em Mannar, com centenas de carros acompanhando o féretro até o cemitério; em sinal de luto, fecharam todos os estabelecimentos, confirma a agência do Pontifício Instituto de Missões Exteriores (PIME), «AsiaNews.it».

Originário de Jaffna, o Pe. Packiyaranjith tinha 40 anos; havia sido ordenado há uma década. Na tarde da quinta-feira, quando levava em seu carro alimentos e outras ajudas ao campo de refugiados e ao orfanato de Vidathalvu, sofreu um atentado.

Ele foi alcançado por uma explosão – de uma bomba ou uma mina – na estrada Poonery de Kalvi’laan (distrito de Kilinochchi). Quem conduzia o veículo era um leigo, Christopher Jujin, que lutou por salvar sua vida.

Até agora, segundo a agência do PIME, ninguém reivindicou o atentado, ainda que fontes do exército e dos rebeldes intercambiam acusações de responsabilidade. O sacerdote católico coordenava as atividades do Serviço Jesuíta para os Refugiados em Mannar.

«Muito sangue já foi derramado nesta pequena ilha. Este sangue pede a paz, não a vingança», disse Dom Rayappu condenando o brutal assassinato do sacerdote que se dedicava a ajudar os pobres e marginalizados.

«Pedimos à comunidade internacional e a todas as pessoas de boa vontade que condenem este homicídio e que condenem com força e em verdade a guerra sem sentido que continua. Rogamos a quem combate que acabe com esta guerra que prossegue há mais de um quarto do século», acrescentou.

Profundamente afetado por este assassinato, o arcebispo de Colombo, Dom Oswarl Gomis, difundiu uma mensagem de pêsames – da qual publica extratos a agência «Fides», da Congregação vaticana para a Evangelização dos Povos – condenando «estes atos de violência que infligem dor e luto a civis inocentes» e fazendo chegar sua solidariedade ao bispo de Mannar e ao clero, aos fiéis e à família do Pe. Packiyaranjith. «A paz é um imperativo urgente»; «quanto mais vai durar este massacre?», questiona o prelado.

«Episódios desse tipo deveriam dar a entender a nossa consciência a gravidade da situação e a necessidade de restabelecer a paz imediatamente», reclama.