Temor de superiora capuchinha pela situação na Venezuela

| 1246 visitas

RÍO TERCERO (ARGENTINA), quinta-feira, 29 de novembro de 2007 (ZENIT.org-Aica).- «A situação do país está se complicando cada vez mais. Estou não só preocupada, confesso que tenho medo (ainda que me ressoe constantemente o ‘Eu estou com vocês’ e quero ser-lhes fiel)». Assim descreveu a Irmã Arelys Martínez, superiora provincial das Terciárias Capuchinhas da Sagrada Família, a situação institucional na Venezuela, onde a sede da cúria dessa congregação foi vítima de «atropelos».

A religiosa contou que durante uma marcha de estudantes que se opõem à reforma constitucional de Hugo Chávez, atrás da casa provincial, um «grupo de policiais violentos atropelaram pessoas, roubaram tudo o que podiam e chegaram até nossa casa, entraram, no corredor que fica na entrada, pela porta de ferro».

«A explosão quebrou os vidros, encheu a casa de odor de pólvora, eles nos insultaram de todas as formas que tiveram vontade, foi horrível, vi ódio nessas pessoas», reconheceu a Irmã Arelys.

A religiosa relatou que «desde os edifícios, as pessoas lhes gritava, que não nos fizessem dano, e eles lhe responderam com palavrões, jogaram pedras, paus, tudo que carregavam», e considerou que é «de verdade impressionante ver como eles respondem ao que o próprio Chávez lhes diz que façam».

«Chamamos a polícia, vieram e nos disseram que essa era gente mandada pelo governo e que eles podiam fazer nada. Também comunicamos ao cardeal, ele me disse que tinham ido para a casa da Conferência hoje e haviam prendido um boneco que o representava. Também que na madrugada haviam entrado em uma Igreja em Antímano e a profanaram. Vamos pela rua e nos perseguem, insultam, hostilizam. Este é um ambiente muito tenso, doloroso», prosseguiu com seu relato.

Por último, a Irmã Arelys reclamou: «Ajudem-nos com a oração, para que sejamos testemunhas dos valores do Reino».

A nota da religiosa foi difundida pela Irmã Marcela Melgarejo Ibarra, residente em uma casa de Río Tercero, Córdoba, com o objetivo de que «nossa oração alcance do Senhor para nossos irmãos e irmãs venezuelanos o inapreciável dom da paz e para que a América toda tome consciência desta dura realidade que atinge nosso país irmão».