Ter mais filhos melhora as relações humanas e sociais

Pesquisa do Conselho Pontifício para a Família foi coordenada pelo sociólogo Pierpaolo Donati

| 958 visitas

Lucas Marcolivio

MILÃO, quinta-feira, 31 de maio de 2012 (ZENIT.org) - A família "tradicional" é coisa do passado ou é um elemento-chave para a sobrevivência da sociedade e para o futuro das jovens gerações de todos os tempos?

Para responder a esta questão nada trivial, o Conselho Pontifício para a Família articulou uma pesquisa sócio-antropológica própria, que culminou no livro Família: recurso para a sociedade (2011), organizado por Pierpaolo Donati, professor de sociologia na Universidade de Bolonha.

O livro foi apresentado ontem à tarde no Congresso Internacional Teológico Pastoral, evento que está antecedendo o Encontro Mundial das Famílias em Milão.

A mesa redonda foi aberta pelo subsecretário do Conselho Pontifício para a Família, dom Carlos Simon Vazquez, que destacou o vínculo indissolúvel entre a família e a felicidade que todo homem deseja. O prelado informou que a pesquisa coordenada pelo professor Donati revela a família como o principal objetivo e anseio entre as gerações mais jovens.

Donati explicou que a pesquisa não teve o propósito de "fotografar" a crise da família, nem de confirmar a suposta diminuição da família constituída por um homem e por uma mulher, casados, com dois filhos pelo menos.

A pesquisa mostrou que, ainda hoje, esta família tradicional tem um papel fundamental nas aspirações mais profundas dos italianos e é capaz de satisfazer o seu desejo de felicidade, particularmente em situações familiares diferentes (pais separados ou em coabitação, pais com um só filho, etc).

Verificou-se que a família tradicional é a mais "satisfatória" e a mais produtiva em termos de "capital humano e social". Quando se afasta deste modelo, a família perde a capacidade de unir as pessoas e de criar solidariedade.

A pesquisa identifica, como um primeiro grupo, as famílias monoparentais, que, devido aos seus problemas cotidianos, se aproxima da mesma situação das pessoas que vivem completamente sós. Nesta tipologia, podem manifestar-se dificuldades graves nas relações sociais.

Um segundo grupo é o dos casais sem filhos, que sofrem certa “precariedade relacional”. "São os filhos que fazem um verdadeiro casal", explica Donati.

Em melhor situação encontra-se o terceiro grupo, dos casais com um só filho, mas eles tendem a superproteger a criança e a se fechar mais, do ponto de vista da interação social.

Finalmente, vêm as famílias consideradas tradicionais, compostas de marido e mulher e ao menos dois filhos: são as mais "pró-sociais" e abertas ao mundo exterior, bem como as mais idôneas para transmitir valores. Neste tipo de família, a qualidade de vida é geralmente a melhor: elas são "a principal fonte de capital social", ressalta Donati.

Segundo a pesquisa, há, portanto, dois fatores que tornam uma família "virtuosa": o casamento e o número de filhos. "O casamento melhora a atitude para com a sociedade, não sendo simplesmente um acordo legal, mas um ritual que conecta o público com a esfera privada".

"Quanto mais filhos, maior a riqueza de relações. Embora muitas vezes as relações entre irmãos não seja excelente, ainda é melhor ter relações difíceis com os próprios irmãos do que ser filho único".

O presidente do Fórum Nacional das Famílias, Francesco Belletti, enfatizou o papel da família como baluarte contra o abuso de poder, um "poder dos sem-poder", partindo do caso de José e Maria, que mantiveram o filho Jesus a salvo da fúria assassina de Herodes.

Muitas vezes, é justamente a família que leva a sociedade a se reforçar para proteger as reais necessidades dos cidadãos. É o caso das associações de famílias com crianças deficientes. Com frequência, aliás, as famílias se vêem obrigadas a exercer uma "subsidiariedade em sentido inverso", compensando as deficiências do Estado.

Em prol da família há quem faz muito, mas, sem dúvida, pode-se fazer muito mais, disse Belletti. "Protestamos muito pouco contra os padrões negativos do cinema e da TV!".

A última contribuição do evento foi de Giovanna Rossi, professora de sociologia da família na Universidade Católica do Sagrado Coração de Milão, que ilustrou uma pesquisa feita por ela própria sobre a conciliação trabalho-família.

A pesquisa mostra que a demanda por esta conciliação é muito forte, mas, em geral, acaba se diluindo na opção exclusiva pelo trabalho, com a consequente renúncia à família.

A escolha de um trabalho de tempo integral por parte de um dos pais e de tempo parcial por parte do outro é considerada ideal para os casais com filhos pequenos, mas, à medida que eles crescem, tende-se a preferir o trabalho de tempo completo para ambos.

Diante das várias propostas construtivas para resolver este problema, o caminho a percorrer ainda é "longo e acidentado", avisa a pesquisadora.