Terra Santa: católicos e ortodoxos celebram a Páscoa juntos

Segundo o calendário juliano

Roma, (Zenit.org) Redacao | 1320 visitas

Grande parte das comunidades católicas em Israel, Territórios Palestinos, Jordânia e Chipre estão se preparando para celebrar as liturgias da Semana Santa, não nestes dias, mas na primeira semana de maio, de acordo com o calendário juliano, seguido pelas comunidades ortodoxas .

De acordo com relatos da agência de notícias Fides, unificar as datas da Páscoa em grande parte da região é uma implementação da diretiva emitida em 15 de outubro de 2012 pela Assembléia de Bispos Ordinários Católicos da Terra Santa. Na ocasião foi decidido que dentro de dois anos, todos os católicos da Diocese de rito latino e os vários ritos orientais celebrassem a Páscoa de acordo com o calendário juliano, que coincide com as liturgias da Semana Santa que celebram as Igrejas Ortodoxas.

A adoção da data da Páscoa de acordo com o calendário juliano (que em 2013 cai em 05 de maio) tem efeito este ano ad experimentum na Terra Santa, com exceção das áreas de Jerusalém e Belém, onde vão continuar com o calendário gregoriano , respeitando as limitações impostas pelo sistema na cidade santa de Status Quo, que regula a coexistência de várias igrejas cristãs nos lugares sagrados, levando em consideração a chegada de peregrinos de todo o mundo para celebrar a Páscoa em Jerusalém e Belém.

"A comunidade de trabalhadores estrangeirosem Tel Aviv" - informa Dom William Shomali, Vigário Patriarcal do Patriarcado Latino de Jerusalém – teria pedido para celebrar a Páscoa de acordo com o rito gregoriano para desfrutar as férias que correspondem a Páscoa judaica.

A unificação da data em que os cristãos de diferentes confissões celebrarão a Páscoa - algo adquirido ao longo dos anos na Jordânia e Chipre - ainda suscita perplexidade entre alguns bispos maronitas.

No entanto, segundo Dom Shomali, supõe uma passagem eloquente enquanto ecumenismo e testemunho: "Membros de uma mesma família ou de um mesmo povo que pertencem a diferentes realidades eclesiais, observa o vigário patriarcal, agora podem comemorar nos mesmos dias a paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo. A fim de dar também um testemunho de unidade aos nossos vizinhos não-cristãos ".

Para 2015, a previsão para a unificação de uma data comum para a Páscoa deve ser confirmada ou revista em conformidade também com as instruções da Santa Sé.