Terra Santa: muro de separação põe em perigo creche católica

As crianças estiveram cruzando a parede por um pequeno buraco durante um ano

| 1080 visitas

JERUSALÉM, quinta-feira, 26 de agosto de 2010 (ZENIT.org) - A Creche de Betânia (Shayyah), em Jerusalém, busca uma alternativa para poder continuar oferecendo seus serviços, já que as crianças não podem mais utilizar a pequena abertura no muro de separação da Cisjordânia, que usavam até agora para chegar até lá.

Durante o último ano, 50 crianças da área palestina de Aizaria estiveram cruzando duas vezes por dia a parede através de um pequeno buraco, escoltadas por dois soldados israelenses armados e na presença das irmãs combonianas que gestionam a creche.

Mas nos últimos dias, uma instrução emitida após um encontro entre o núncio apostólico em Israel, Dom Antonio Franco, as religiosas e a autoridade militar da região, proibiu que as crianças continuassem utilizando este sistema para chegar à creche, informa o site do patriarcado latino de Jerusalém.

As autoridades militares consideram que essa passagem, utilizada durante um ano, não é segura para ninguém.

A creche deveria reabrir dentro de poucos dias, mas ainda é incerta a forma como as crianças chegarão até ela.

Poderiam fazê-lo de ônibus, dando uma volta de 15 quilômetros, ou utilizando um atalho frequentado somente por militares, já que o muro que cerca Jerusalém divide a propriedade das religiosas.

Neste momento, estão em andamento negociações para que o exército tome uma decisão que evite o fechamento da creche.

Tanto as irmãs combonianas como os pais dos pequenos alunos consideram muito importante a sobrevivência da creche para o futuro das crianças.