Terra Santa terá novo mosteiro

No lugar em que Jesus alimentou milhares de pessoas

| 1098 visitas

ROMA, sexta-feira, 3 de junho de 2011 (ZENIT.org) - Os monges que vivem em um importante lugar bíblico deixarão seu mosteiro, que sofreu terremotos, para ser acolhidos em uma nova casa, graças ao apoio de Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

A associação, que está ajudando a construir um novo mosteiro em Tabgha (Israel), recebeu um relatório sobre os trabalhos do padre Jeremias Marseille OSB, membro da comunidade beneditina alemã que vive no lugar.

Os monges, que vivem nas margens do Mar da Galileia, são custódios da igreja da Multiplicação dos Pães e dos Peixes, que marca o lugar do milagre bíblico. 
Falando com AIS, o padre Jeremias deu duas razões para o traslado do mosteiro, construído sem fundações adequadas nos anos 50.

“A primeira é que a casa em que vivemos não é segura – na Alemanha seria fechada”, disse. A casa está cedendo. Situa-se na área de terremotos no começo do vale do Jordão.
“A segunda razão é mais importante”, afirma. “Precisamos não só de uma casa, mas também de um claustro, no qual a vida monástica possa crescer”.

Os monges – indicou – precisam de um lugar de retiro e de reflexão, seja para os peregrinos e turistas – que chegam a 5 mil por dia – como para promover um lugar de encontro para os jovens deficientes de Israel e da Cisjordânia.

O padre Jeremias descreveu quão importante é orar para Deus retirando-se a um lugar tranquilo, que o mosteiro oferecerá com o seu novo oratório (capela).

“As palavras Jesus no milagre da multiplicação dos pães e dos peixes são ‘vinde vós para um lugar deserto, para descansar um pouco. Porque era tanta gente que ia e vinha, que não tinham tempo nem para comer’”.

O novo edifício em construção será capaz de aguentar os periódicos terremotos que afetam o vale.

“Esperamos e pensamos em terminar a construção da estrutura de todo o mosteiro em outubro, e esperamos que o traslado aconteça em maio do próximo ano”, disse.

A casa monástica de Tabgha está situada na região norte-ocidental do Mar da Galileia e é um priorato que depende da Abadia da Dormição do Monte Sião, em Jerusalém.

A igreja da Multiplicação dos Pães e dos Peixes é gerenciada pelos beneditinos e foi construída em 1982 pela Associação Alemã da Terra Santa, no mesmo lugar onde se erguia uma igreja bizantina destruída pelos persas no ano 614.