Toda religião deve defender a dignidade humana, afirma mensagem papal

Enviada ao Encontro Internacional de Oração pela Paz

| 1318 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 4 de outubro de 2010 (ZENIT.org) - As religiões têm um papel decisivo na promoção da paz, pois devem ajudar a sociedade a promover a dignidade inviolável de todo ser humano, afirma a mensagem papal enviada ao Encontro Internacional de Oração pela Paz.

A missiva foi apresentada ontem, domingo, durante a inauguração da cúpula organizada pela Comunidade de Sant'Egidio, em colaboração com o arcebispado de Barcelona, de 3 a 5 de outubro, continuando a convocação que João Paulo II fez em Assis, em 1986, a representantes das religiões.

"Em um tempo difícil de crises e conflitos, intensificados pelo fenômeno cada vez mais extenso da globalização, as religiões estão chamadas a realizar sua especial vocação de serviço à paz e à convivência", afirma o texto, enviado em nome de Bento XVI pelo cardeal Tarcisio Bertone, secretário de Estado.

Segundo o texto, "todos os povos, para viverem como uma autêntica comunidade de irmãos e irmãs, precisam inspirar-se e apoiar-se sobre o fundamento comum dos valores espirituais e éticos".

"Reconhecendo em Deus a fonte da existência de cada homem, as religiões ajudam a sociedade inteira a promover a dignidade inviolável de todo ser humano", afirma.

Por este motivo, continua dizendo a nota, "o serviço desinteressado à paz exige de todos os crentes o compromisso iniludível e prioritário da oração", pois, "se a paz é dom de Deus e tem seu manancial n'Ele, só é possível buscá-la e construí-la com uma relação íntima e profunda com Ele".

"Na oração - continua -, é-nos dada também a possibilidade de aprender a linguagem da paz e do respeito, fortalecendo essa semente de paz que o próprio Deus semeou no coração dos homens e que constitui, acima de diferenças de etnia, culturas e religiões, o desejo mais profundo do ser humano."

A missiva conclui assegurando que "o Santo Padre confia ao Altíssimo todos os participantes deste Encontro Internacional de Oração pela Paz, para que esta louvável iniciativa alcance copiosos frutos e atraia sobretudo abundantes bênçãos divinas".

No dia 30 de setembro, Bento XVI recebeu em audiência Andrea Riccardi, fundador da Comunidade de Sant'Egidio, Marco Impagliazzo, presidente da Comunidade, e Dom Vincenzo Paglia, bispo de Terni-Narni-Amelia, assistente eclesiástico da Comunidade, para conhecer os detalhes particulares e pessoais sobre este evento.

O Encontro deste ano tem como título "Conviver em um tempo de crise. Família de Deus, família dos povos".

Segundo confirmou a Comunidade de Sant'Egidio a ZENIT, durante a audiência, os participantes também abordaram o tema da pobreza na Europa e no mundo.

"Foram analisadas profundamente as principais questões sociais que surgiram a partir da crise econômico-financeira destes anos e sobre a pobreza em aumento na Europa", afirma a Comunidade.

Outro dos temas tratados foi o da situação da África e os principais programas de solidariedade da Comunidade no continente africano.

Em particular, ilustrou-se ao Papa o avanço do programa Dream, que atende 90 mil portadores de AIDS em 10 países africanos, e o projeto BRAVO (Birth Registration for All Versus Oblivion), programa de inscrição no registro civil das crianças africanas.

Um de cada duas crianças que nascem na África não é inscrita no registro civil ao nascer e se converte, assim, em uma criança invisível, que não tem nenhum direito nem proteção.

Ao longo deste ano, a Comunidade conseguiu inscrever no registro civil mais de 3 milhões de pessoas em Burkina Fasso.

(Por Jesús Colina)