Todos à espera do papa no Líbano

Faltam menos de 10 dias para a viagem histórica

| 670 visitas

José Antonio Varela Vidal

ROMA, quarta-feira, 5 de setembro de 2012 (ZENIT.org) - Faltando menos de dez dias para a visita apostólica de Bento XVI ao Líbano, diversas personalidades expressaram sua satisfação com a chegada de um pontífice pela segunda vez à terra dos cedros. 

Nesta segunda-feira, o patriarca da Igreja católica maronita, Mar Bechara Boutros Al-Rahi, exortou os cristãos libaneses a viverem com "amor e verdade" a chegada do papa. Bechara pediu que as divisões internas não coloquem em perigo a qualidade da recepção reservada ao santo padre, cuja visita tem como ponto central a assinatura da exortação apostólica pós-sinodal da Igreja no Oriente Médio.

Em declarações à Radio Vaticano, o patriarca de Antioquia, Gregorios III Laham, se mostrou feliz com a viagem papal ao Líbano e, portanto, à Terra Santa. Laham manifestou a esperança de que Bento XVI pronuncie palavras importantes para reforçar o diálogo, a convivência e a construção comum de um mundo melhor no país e na região.

Na mensagem que envia todos os meses aos membros do Opus Dei, seu prelado, dom Javier Echevarría Rodríguez, pediu orações pelo pontífice e pelo Oriente Médio, terra que Jesus Cristo santificou com a sua presença.

As etapas da visita pastoral

As atividades programadas para a viagem apostólica não sofreram nenhuma alteração oficial, apesar da hesitação de alguns setores sobre a conveniência da visita neste momento de crise na região, devido aos conflitos na vizinha Síria. Neste domingo, durante o ângelus, as últimas dúvidas se dissiparam quando Bento XVI manifestou sua alegria por visitar o Líbano “em breve”.

De acordo com a programação oficial, o papa parte na próxima sexta-feira, 14, do aeroporto de Ciampino, em Roma, para aterrissar quatro horas e meia depois no aeroporto internacional Rafik Hariri, de Beirute, onde será recebido pelas autoridades do país e fará seu primeiro pronunciamento.

Terminada a tarde, o papa visitará a basílica greco-católica melquita de São Paulo em Harissa, onde haverá uma cerimônia para a assinatura da exortação apostólica pós-sinodal, com o respectivo discurso.

Os organizadores distribuíram as atividades da visita de tal forma que o pontífice possa visitar diferentes centros da Igreja católica oriental no Líbano.

No sábado, 15, após a missa particular na nunciatura apostólica, onde ficará hospedado, o papa se dirigirá ao palácio presidencial em Baabda para reunião com o presidente da República e, posteriormente, com o presidente do parlamento libanês. No Salão dos Embaixadores, está previsto um encontro com os líderes das comunidades religiosas muçulmanas.

Ainda pela manhã, membros do governo e do corpo diplomático, líderes religiosos e representantes do mundo da cultura esperam o papa no Salão Presidencial 25 de Maio.

Ao meio-dia, Bento XVI chega ao patriarcado armênio católico de Bzommar, onde almoçará com os patriarcas e bispos do Líbano e com os membros do conselho especial para o Oriente Médio do Sínodo dos Bispos, bem como com o séquito papal.

No final da tarde, está agendado um encontro com os jovens na esplanada do patriarcado maronita de Bkerké, onde o papa fará um novo pronunciamento.

No domingo, 16, Bento XVI presidirá a eucaristia na orla de Beirute, onde entregará aos representantes da Igreja no Oriente Médio a exortação pós-sinodal e rezará o ângelus.

Depois do almoço, o papa deixará a nunciatura apostólica para se dirigir a um encontro ecumênico no salão de honra do patriarcado sírio-católico de Charfet. Será o último ato da viagem antes da despedida de Beirute, no aeroporto, onde Bento XVI fará o discurso final da visita.

A chegada de Bento XVI no aeroporto romano de Ciampino está prevista para as 21h40, hora local italiana.

(Tradução:ZENIT)