"Todos somos convidados para viver a experiência do perdão!

Mons. Rino Fisichella comenta a iniciativa penitencial 24 horas pelo Senhor, promovida pelo Pontíficio Conselho para a nova Evangelização para Quaresma

Roma, (Zenit.org) Sergio Mora | 363 visitas

Começou hoje a tarde a celebração penitencial na Basílica de São Pedro dando início, assim, à iniciativa “24 horas para o Senhor”. Durante a função, o Pontífice confessará alguns fieis. O evento promovido pelo Pontifício Conselho para a nova evangelização para a Quaresma quer ser uma ocasião de transmissão da fé e de redescoberta do Sacramento da Reconciliação ao qual o Papa sempre exorta que os fieis do mundo se aproximem.

A iniciativa, também, a partir das 20h, envolverá três igrejas do centro histórico de Roma - Santa Inês in Agone, Santa Maria in Trastevere e Santíssimos Estigmas – que abrirão as próprias portas e colocarão à disposição dos fieis confessores para a celebração individual do Sacramento da Penitência. Enquanto isso, haverá uma adoração eucarística que continuará noite adentro.

Será também possível confessar-se no sábado, 29 de março, na reitoria da Santa Inês in Agone, até às 16h. A jornada terminará depois às 17h com a celebração das Primeiras Vésperas na igreja do Santo Espírito in Sassia, santuário cidadão da Divina Misericórdia. Portanto, “uma verdadeira festa do perdão”, como disse o Papa Francisco durante o Angelus de domingo passado.

Para saber mais ZENIT encontrou, poucas horas após o início das "24 horas" , mons. Rino Fisichella, presidente do Pontifício Conselho para a Nova Evangelização .

"A iniciativa está tendo um grande sucesso", disse, "centenas de lugares já asseguraram a sua participação e sabemos também que muitas outras dioceses o farão, mesmo que não tenham comunicado".

O arcebispo recordou "a estreita relação entre a nova evangelização e o Sacramento da Reconciliação", como já indicado pelos bispos reunidos no Sínodo sobre a Nova Evangelização para a transmissão da fé, realizado em outubro de 2012 no Vaticano.

Durante as reuniões, continuou, "muitos Padres sinodais afirmaram que a Reconciliação deveria ser o Sacramento da nova Evangelização”. Na declaração redigida no final dos trabalhos, os bispos expressaram o desejo de que “em todas as dioceses houvesse ao menos um lugar onde sempre tivesse um bom sacerdote acolhendo as pessoas para confessá-las e dar o sinal da misericórdia de Deus”.

De acordo com o arcebispo, além disso, "a transmissão da fé encontra no Sacramento da Reconciliação um importante ponto de referência”, em quanto que “é uma ajuda que vai direto ao coração dos nossos contemporâneos”. Os quais – destacou – devem refletir sobre a própria vida, os próprios limites e pecados”, de modo que “sintam a necessidade de conversão antes de escutar a proclamação do Evangelho”.

Com este espírito acontece, portanto, o evento “24 horas para o Senhor”. “Será uma experiência de evangelização – disse Fisichella – que não envolverá somente Roma, mas aproximará as dioceses, todas as igrejas que permanecerão abertas contemporaneamente – algumas toda a noite, outras somente poucas horas – e que viverão juntas um momento chave na Quaresma para repensar a própria vida e a experiência do perdão”.

À pergunta, finalmente, sobre o por que o Papa Francisco insista tanto no fato de que “este é um tempo de misericórdia”, mons. Fisichella respondeu: “É um momento de misericórdia, porque é um momento de crise e que é mais percebido na fraqueza e nos limites”. Uma fraqueza, acrescentou, “que está se tornando quase estrutural, que se derrama no pensamento que vem transmitido, nos comportamentos frágeis das pessoas que sofrem formas de pobreza nunca vistas antes”. Ao mesmo tempo, é um tempo que marca uma “maior presença de espiritualidade”: “Onde há crise – incentivou Fisichella – devemos dar ainda mais sinais de esperança e de anúncio do Evangelho. A misericórdia é justo isso”.

"Todos, hoje – concluiu, portanto, o presidente do Pontifício Conselho para a nova Evangelização – somos hóspedes de São Pedro, em todas as igrejas e em todos os lugares até onde este anúncio chegar. Todos somos chamados a seguir este convite caloroso e significativo do Papa, e viver um momento de alegria e compromisso ".

[Trad.TS]