"Transformemos a dor em amor"

Apelo do cardeal Tagle ao povo filipino para superar em "cooperação e solidariedade" o momento de crise provocado pelos recentes desastres climáticos

Roma, (Zenit.org) Redacao | 533 visitas

Cooperação, solidariedade e união são as três palavras-chave do cardeal Luis Antonio Tagle, arcebispo de Manila, Filipinas, para incentivar os fiéis a superar a atual crise causada pelos recentes desastres climáticos.

Conforme relatado pela agência AsiaNews, as chuvas de monções castigaram durante três dias consecutivos a capital das Filipinas e as suas áreas circundantes, provocando oito mortes confirmadas e deixando mais de 500 mil pessoas desabrigadas. De acordo com especialistas, o número de vítimas do mau tempo deve aumentar nas próximas horas, depois da passagem da tempestade tropical Trami, que açoitou grande parte do norte do país.

Um terço da região metropolitana de Manila, com 12 milhões de habitantes, está alagado: a cidade foi quase completamente submersa pela água e só nas últimas horas percebeu-se uma ligeira melhoria na situação. Milhares de pessoas estão alojadas em abrigos ou na casa de parentes e amigos. Escolas e prédios do governo estão fechados.

A Igreja católica filipina lançou rapidamente uma campanha de angariação de fundos para as vítimas. Em algumas dioceses de Luzon, foram distribuídas grandes quantidades de medicamentos e bens de primeira necessidade. Alguns centros diocesanos de ação social hospedaram centenas de famílias, dando-lhes comida e água potável.

A diocese de Imus, sufragânea da arquidiocese de Manila, destinou fundos imediatos para as vítimas das enchentes, enquanto espera novos recursos a ser alocados pela Caritas local. Outras dioceses, como Parañaque e Balanga, apelaram aos fiéis pedindo ajuda em donativos para os necessitados.

O cardeal Tagle pediu diretamente aos cidadãos que, "nesta situação crítica, demonstrem cooperação, solidariedade e unidade".

“Consolemo-nos uns aos outros”, disse ele em entrevista à Rádio Veritas, “com gestos pequenos ou grandes, para aliviar o sofrimento em meio a esta situação crítica” e para “transformar a dor e o sofrimento em amor e amizade entre irmãos e irmãs”.