Trinta rabinos em Nova York para ouvir a sinfonia de Kiko Arguello

Grande sucesso no Lincoln Center para a apresentação do Coro e da Orquestra do Caminho Neocatecumenal em "O sofrimento dos inocentes"

| 1949 visitas

Por Álvaro de Juana

NOVA YORK, segunda-feira, 14 de maio de 2012 (ZENIT.org) - O prestigiado auditório Avery Fisher Hall de Nova York, viu, no passado dia 8 de maio, a Orquestra e Coro do Caminho Neocatecumenal apresentar-se na Sinfonia que quer prestar homenagem às vítimas da Shoah, o Holocausto dos hebreus.

"A Symphonic Homage Prayer : Uma oração sinfônica de homenagem” é, de fato, o título desta celebração na qual a Palavra de Deus se entrelaça com a música, através da leitura do profeta Ezequiel, do Evangelho de Lucas e do tema de fundo da Sinfonia "O sofrimento dos inocentes."

A obra foi apresentada diante de 3.000 pessoas, a maioria judeus, incluindo 30 rabinos e cerca de doze bispos e autoridades civis. No público, além disso, tinha a presença de muitos sobreviventes do Holocausto e dos seus familiares.

"O sofrimento dos inocentes" foi composto por Kiko Argüello, iniciador do Caminho Neocatecumenal, e foi realizada por um coro e uma orquestra de 180 profissionais, provenientes desta realidade eclesial.

A composição musical nasceu por causa “da realidade de escândalo de tantos inocentes que hoje levam os pecados dos outros”, declarou Kiko para o ZENIT e foi criada, “tendo como ponto de referência a profecia de Simeão à Nossa Senhora: Uma espada transpassará a tua alma ao ver a morte do seu Filho na cruz”.

Esta celebração Sinfônico-Catequética é uma das novas iniciativas do Caminho Neocatecumenal, que visa construir pontes com o povo hebraico, uma vez que muitos judeus, por declarações próprias, se sentiram identificados com a música e a mensagem que ela transmite.

Depois de passar por vários lugares ao redor do mundo - Madri, Paris, Galiléia, Belém e Jerusalém - a Celebração alcançou com êxito algumas importantes cidades dos EUA.

A celebração do Avery Fisher Hall começou com dois dos mais importantes rabinos da cidade de Nova York: o rabino Greenberg e Rabbi Rosenbaum, que ofereceram uma saudação e guiaram um momento de oração.

Logo depois, Kiko Argüello foi apresentado a todos por David Rosen, rabino e diretor do American Jewish Committee,assessor para os Assuntos Inter-religiosos do Rabinato de Jerusalém e responsável pelas relações com a Santa Sé.

Antes da apresentação da Orquestra Sinfônica, Kiko explicou a origem da Sinfonia e a importância do sofrimento dos inocentes na própria vida espiritual. O iniciador do Caminho narrou, de fato, que quando jovem foi morar entre os "mais pobres dos pobres" das favelas de Palomeras Alta em Madri, onde, entre outras coisas, nasceu a realidade eclesial do Caminho Neocatecumenal, nos tempos do Concílio Vaticano II.

O evento continuou depois com as palavras do rabino Rosen, que confirmou, mais uma vez, "o reconhecimento que o povo judeu encontra no Caminho Neocatecumenal para a reconciliação e a amizade com a Igreja."

Um dos momentos mais emocionantes da noite foi a apresentação da Orquestra e do Coro da oração do Shema Israel, que todos os participantes, muitos em lágrimas, acompanharam o canto. A celebração concluiu-se ainda com o canto de um prestigioso coro hebreu e com a oração em memória das vítimas do Holocausto.

Em todo esse tempo, o Caminho Neocatecumenal tem recebido inúmeras manifestações de carinho e apoio para esta iniciativa em Nova York e nas outras cidades norte-americanas que tocou, como Boston ou Chicago. Muitas vêm de rabinos e dos mesmos judeus que veem como isso pode ser um apoio e um passo adiante nas relações entre o povo judeu e a Igreja Católica.

[Tradução Thácio Siqueira]