Um cardeal otimista

Luis Antonio Gokim Tagle, Arcebispo de Manila, suscita esperança e alegria

Roma, (Zenit.org) Antonio Gaspari | 1376 visitas

Entre os cardeais que entrarão no Conclave pela metade de Março, o arcebispo de Manila, Luis Antonio Gokim Tagle, (56 anos) está suscitando um notável interesse por parte da imprensa mundial. 

Ele é jovem, brilhante, muito comunicativo, prestativo, simples, especialmente atento a cada interlocutor.

No Colégio Cardinalício só o cardeal indiano Moran Moran Mor Baselios Cleemis Thottunkal (54 anos) é mais jovem do que ele.

É considerado um teólogo sólido e moderno. Escreveram dele que é “Uma das vozes mais representativas do pensamento teológico asiático”, tanto é que aos 40 anos ingressou na Comissão Teológica Internacional.

Segundo a agência britânica Reuters: “Junta o carisma de João Paulo II e a estatura teológica de Bento XVI que, não por acaso o quis na comissão teológica internacional”.

Aos 44 anos, foi feito bispo de Imus, onde organizou uma jornada asiática da juventude com milhares de jovens provenientes também do Cazaquistão, Tajiquistão, Turquemenistão, Laos, Nepal, Timor Leste e Camboja.

Em 2005, aos 48 anos, foi o bispo mais jovem que participou do Sínodo da Eucaristia, e foi eleito no Conselho pós-sinodal.

Em outubro de 2011 o Papa Bento XVI o nomeou arcebispo metropolita de Manila.

Naquela ocasião, o padre Fabio Motta, missionário do PIME (Pontifício Instituto das Missões Exteriores), já estudante de monsenhor Tagle que ensinava no seminário internacional do PIME de Tagaytay, escreveu em Mission on line: “Não podem imaginar a minha felicidade! Devo muito a mons. Tagle, a sua paixão pelo anúncio da Palavra, o seu estilo ao fazer-se próximo das mais variadas situações sociais, a leitura perspicaz da vivência das pessoas, a coragem de não fugir dos desafios que batem sempre novos às portas portas da Igreja... Tenho tudo ainda muito vivo em mim e o seu exemplo orienta muitas vezes as minhas escolhas também na Guiné. Tenho certeza de que fará muito bem em Manila onde terá um difícil papel também institucional. Será interessante acompanhá-lo nos seus primeiros passos".

Mons. Tagle é uma personalisade muito amada nas Filipinas. Brilhante na comunicação. A sua transmissão na tv The Word Exposed na qual comenta as leituras dominicais é muito seguida. As suas reflexões repropostas no Facebook despertam um interesse crescente.

Um nativo da capital das Filipinas, frequentou o Seminário São José para depois matricular-se na Universidade Ateneu de Manila. Aos 25 anos foi ordenado sacerdote. Esteve nos EUA onde frequentou a Universidade Católica da América e obteve o doutorado em teologia. Entre 1985 e 1992, mudou-se para Roma, para aprofundar seus estudos.

Seu avô e sua mãe são de origem chinesa. Gokim é o sobrenome da mãe chinesa.

Em entrevista à Mondo e Missione disse: "Meu avô era de origem chinesa, quando chegou nas Filipinas se converteu ao cristianismo. Era um homem bom, mas não era o clássico católico devoto, tinha muito conservado a ética budista e confuciana. Mas era um homem maravilhoso, era mais puro do que muitos outros crentes, mais honesto e justo. (...) Eu penso que existam grãos de verdade e sinais reais da graça salvífica do Senhor em pessoas como meu avô”

No recente Sínodo dos Bispos sobre o tema da nova evangelização monsenhor Tagle mostrou qualidades de alegria e vivacidade.

Na conferência na Sala de Imprensa do Vaticano, na qual participou no dia 26 de outubro de 2012, como Vice-Presidente da Mensagem do Sínodo dos Bispos, "A nova evangelização para a transmissão da fé cristã", o arcebispo de Manila mostrou-se ser alegre e brilhante.

Quando questionado sobre como vê a emigração de tantos dos seus concidadãos respondeu explicando que por um lado estava muito triste por tantos jovens que deixam as Filipinas, por outro lado mostrou-se muito confiante do fato de que sendo na sua maioria cristãos, levarão o cristianismo ao mundo.

De modo totalmente novo, durante o Sínodo de Outubro, o Pontífice Bento XVI anunciou a nomeação de seis novos cardeais entre os quais, Luis Antonio Gokim Tagle, que na entrega do barrete cardinalício não segurou as lágrimas.

No primeiro livro em italiano que será lançado na Itália na Páscoa, intitulado “Gente di Pasqua, La comunità cristiana, profezia di speranza” (Emi), o cardeal Tagle invocou o “sonho” para alimentar a esperança, e lembrou que como Jesus ampara o incrédulo Tomás, “também nós seremos amparados”.

Na conclusão do livro relatada por Gian Guido Vecchi no Corriere della Sera, Tagle teria escrito: "Aprendam do povo, dos esquecidos, dos seus vizinhos. Lembrem-se que o nosso modo de dizer ‘Deus’ não é o único. Aprendam com eles. Aprendam das vítimas de violências e dores sem sentido. Aprendam como dizem ‘Deus’ na esperança. Aprendam daqueles que são movidos aos limites do paradoxo de dizer ‘Deus’, aqueles que às vezes não o dizem mas nem sequer o esquecem. Aprendam deles. Nós temos que continuar a dizer ‘Deus’ com todas as alegrias, as dores e os riscos que isso traz. Continuem a dizer ‘Deus’ com todo o louvor e o lamento que inspira. Continuem a dizer ‘Deus’ com o silêncio que o mistério cria e evoca. Continem a dizer ‘Deus’”.

Com uma população estimada de cerca de 97 milhões de habitantes em 2008, as Filipinas são o décimo segundo estado no mundo. O crescimento demográfico está entre os mais altos de todo o Sudeste Asiático.

As Filipinas são um dos dois Países da Ásia de mais antiga evangelização e de maioria cristã (o outro é o Timor Leste). O 94% da população são cristãos, e destes, 81% são católicos. Cerca de 5% da população filipina é muçulmana.

(19 de fevereiro de 2013) © Innovative Media Inc.