"Um filho foi-nos dado"

Carta de Natal de dom Francesco Cavina, bispo de Carpi, Itália

| 789 visitas

CARPI, terça-feira, 18 de dezembro de 2012 (ZENIT.org) - "O Filho de Deus, fazendo-se homem, veio nos revelar quem é Deus e quem é o homem". Desta revelação partem as reflexões que o bispo de Carpi, dom Francesco Cavina, dedica neste natal ao mistério da paternidade de Deus, numa carta intitulada "Um filho foi-nos dado".

"O que significa reconhecer que Deus é Pai? O que significa o fato de Jesus ser o Filho de Deus?" Estas são as perguntas iniciais do idílico percurso por que Cavina conduz o leitor, através das referências à Palavra de Deus e aos Padres da Igreja, coletando ainda pensamentos e provocações de autores contemporâneos.

"Ao enviar o Filho, o Pai nos enviou outro ‘Si mesmo’", diz Santo Agostinho: Jesus, portanto, escreve o bispo, “não veio apenas revelar-nos quem é Deus, mas fazer os homens entenderem o que sempre foram no plano de Deus: filhos. Àqueles que o acolhem, o Verbo Encarnado dá o poder de se tornarem filhos de Deus. A nossa filiação é um dom recebido, um ‘poder’ que nos é dado, uma graça que alcança a nossa vida".

Estamos diante do mistério da Encarnação e do Natal, no seu mais verdadeiro significado de dom gratuito para a felicidade e para a liberdade. É um caminho que toca em algumas das declarações de Jesus na Última Ceia, diante das quais, escreve o bispo de Carpi, "é de se ficar atordoado"; uma estrada que vai do reconhecer-se do pai-nosso, rico em misericórdia, ao sentir-se filhos e, portanto, irmãosem Jesus Cristo.

A conclusão das reflexões aborda a identidade e a missão da Igreja como lugar onde "o Pai, o Filho e o Espírito Santo vêm até nós, se interessam por nós, ainda que, ao mesmo tempo, aconteçam traições terríveis. Habituar-nos a este milagre pode nos tirar também a reverência e nos tornar inconscientes. Continua sendo verdade, porém, que ficamos cara a cara com Aquele que nos criou, que criou os céus e a terra, com Aquele que, na hora em que pudermos vê-lo, nos deixará infinitamente espupefatos".

O mesmo estupor é incentivado como atitude para o leitor, que se sente “levado pela mão” até a frente do estábulo de Belém, convidado a presenciar a revelação de Deus Paiem seu Filho Jesus.

O texto da carta está disponível no site da diocese de Carpi, em italiano: www.carpi.chiesacattolica.it