Um milhão de fiéis na Rússia veneram a cruz de Santo André

A relíquia, trazida da cidade grega de Patras, foi exposta na Rússia, na Ucrânia e na Bielorrússia durante as celebrações do 1025º aniversário do Batismo Cristão da Rússia

Roma, (Zenit.org) Don Mariusz Frukacz | 765 visitas

Mais de um milhão de pessoas, entre 11 de julho e 2 de agosto, veneraram a cruz de Santo André em São Petersburgo, durante a exposição pelas comemorações do 1025º aniversário do Batismo Cristão da Rússia.

A peregrinação da relíquia sagrada, na qual, segundo a tradição, o apóstolo foi crucificado em 62 d.C., foi organizada pela Fundação Santo André. A cruz veio da cidade grega de Patras, com a bênção do patriarca de Moscou e de Toda a Rússia, Kirill I, e do arcebispo Jerônimo de Atenas e Toda a Grécia. Durante 23 dias, a relíquia percorreu a Rússia, a Ucrânia e a Bielorrússia, visitando as cidades de Moscou, Kiev e Minsk, para ser venerada pelos fiéis da Igreja ortodoxa.

"Algumas igrejas ficaram abertas aos visitantes durante todo o dia", disse o porta-voz da Fundação Santo André. Segundo a agência de notícias russa Interfax, os fiéis esperaram de 30 minutos até nove horas para venerar a cruz.

"As visitas à cruz de Santo André demonstram a atitude genuína dos nossos compatriotas na sua relação com a religião ortodoxa e com as nossas tradições multiétnicas", disse à Interfax um dos organizadores da peregrinação.

Em maio passado, Kirill I tinha solicitado que a cruz de Santo André fosse levada no mês de julho até Kiev para o aniversário do Batismo Cristão da Rússia, porque, de acordo com ele, as Igrejas russa e grega "estão espiritualmente unidas pela pessoa do apóstolo André".

Um comunicado de imprensa da Igreja ortodoxa russa confirma o apoio de Patras à iniciativa. Desde o primeiro momento, o metropolita Crisóstomo de Patras tratou do assunto com muito respeito pela tradição ortodoxa, "voltada a trazer benefícios espirituais para os povos russos e gregos".

O patriarca de Moscou e de Toda a Rússia convidou para a celebração também o arcebispo de Atenas e de Toda a Grécia, Jerônimo, e o metropolita Crisóstomo de Patras.